INNOVATION AND EXCELLENCE SINCE 1992
Início
  >  
Categorias
  >  
Probióticos e prebióticos
  >  
Lactoxira
Lactoxira
Novo
Lactoxira
A primeira fórmula psicobiótica para combater a depressão
  • Concebida a partir dos mais recentes avanços em neurociências.
  • Atua em profundidade nas alterações de humor (estados depressivos, tristeza nostálgica, desmotivação).
  • Contribui para um microbiota saudável e uma comunicação ideal entre “microbiota-cérebro”.
  • Contém 8 estirpes de probióticos seleccionadas a partir de ensaios clínicos.
  • Contém também prebióticos para acompanhar o seu desenvolvimento.
see review

Disponibilidade : Quantidade limitada

Quantidade : 60 DR Caps™ 56.00 €
(63.20 US$)
juntar ao cesto

+Certificado de Análise

A fórmula probiótica Lactoxira foi concebida com base em todos os mais recentes avanços em neurobiologia: sabemos atualmente que os microrganismos que habitam o nosso tubo digestivo comunicam com o cérebro (pela síntese de neurotransmissores e a libertação indireta de substâncias de sinalização celular) e que influenciam os nossos estados de humor, os nossos pensamentos e os nossos comportamentos.
Esta descoberta importante revoluciona o assumir do controlo das pessoas que sofrem de estados depressivos, de depressão ou de alterações do humor cuja saúde da flora intestinal está geralmente muito alterada.

A quem se destina Lactoxira?

A fórmula probiótica Lactoxira destina-se a todos os indivíduos com tendência para alterações do humor e da motivação:

  • as pessoas sujeitas a episódios depressivos crónicos, passageiros, persistentes ou sazonais;
  • as pessoas que perdem interesse por atividades de que antes gostavam;
  • as pessoas vítimas de acessos de tristeza recorrentes sem razão aparente;
  • as pessoas que têm frequentemente pensamentos negativos ou desvalorizadores (“nunca vou conseguir”, “detesto a pessoa que sou”, “não estou no meu lugar”…);
  • as pessoas que procuram ultrapassar experiências difíceis;
  • as pessoas que têm necessidade de se recuperar e têm dificuldades em ser motivadas de manhã;
  • as pessoas que perderam o gosto pela vida;
  • as pessoas que estão frequentemente de mau humor (rabugentas, irritadas ou tristes).

Lactoxira destina-se também às pessoas com hábitos de vida suscetíveis de prejudicar o estado psicológico (consumo de tabaco, exposição ao stress, excesso de álcool, falta de actividade física, falta de sono, tratamento antibiótico, carências nutricionais, em particular no que toca às vitaminas D, B6, B12 e B9, envelhecimento…).

Quais são os efeitos de Lactoxira nos estados de humor e na saúde psicológica?

Quais são os efeitos de Lactoxira nos estados de humor e na saúde psicológica?

Os probióticos são microrganismos vivos capazes de influenciar de forma positiva a microflora intestinal (1). Foram associados a inúmeras melhorias da saúde (relativas aos problemas gastrointestinais (2), nomeadamente à síndrome do intestino irritável (3-4), bem como à sua capacidade de baixar a tensão arterial (5) ou de reduzir o risco de eczema… (6)), mas as perspetivas terapêuticas parecem ainda muito abertas.

Nos últimos anos, inúmeros trabalhos revelaram o seu imenso potencial para melhorar os problemas das mudanças de humor e atenuar a depressão (7). Os investigadores compreenderam que os problemas do foro depressivo eram, na realidade, perturbações psico-neuro-imunológicas e que a administração de probióticos podia melhorar a situação. Foram descobertos dois mecanismos de ação:

Uma comunicação permanente e bidirecional com o cérebro

Trata-se de uma das descobertas mais empolgantes dos últimos anos: as bactérias intestinais podem comunicar com o cérebro por intermédio do nervo pneumogástrico (fala-se de eixo microbioma-intestino-cérebro (8)). E, ainda mais espantoso, conseguem produzir neurotransmissores idênticos aos que encontramos no cérebro (9). Várias estirpes de Lactobacilli e Bifidobacteria segregam, com efeito, GABA (10) – um neurotransmissor inibitório cuja produção é consideravelmente abrandada em caso de depressão e ansiedade (11). Outras espécies bacterianas fabricam igualmente acetilcolina (um neurotransmissor envolvido na memória, na concentração e nos estados de humor (12)) e serotonina (um metabolito do triptofano envolvido na modulação dos estados de humor (13)).

Estas descobertas explicam porque é que a flora intestinal é agora considerada como um órgão endócrino virtual, capaz de influenciar o sistema nervoso central através do eixo microbioma-flora-cérebro (14-15). Trabalhos realizados mostraram que a utilização de probióticos aumentava os níveis de certos neurotransmissores no córtex frontal, reduzindo assim os sintomas da depressão (16).

Um controlo da inflamação sistémico

O segundo mecanismo de ação dos psicobióticos assenta na respetiva capacidade de diminuir os níveis de inflamação. Os investigadores haviam notado que os níveis de inúmeros marcadores da inflamação se apresentavam anormalmente elevados nos indivíduos deprimidos (17-19), mas não conseguiram estabelecer a ligação com a flora intestinal. Hoje em dia sabe-se que os probióticos atuam contra a inflamação limitando a expansão das bactérias patogénicas no intestino delgado, reforçando a barreira intestinal, reduzindo a translocação bacteriana (20) e reduzindo o número de citocinas inflamatórias e de substâncias tóxicas que circulam no organismo.

É graças a estas ações múltiplas contra a inflamação que os probióticos permitem melhorar as alterações do humor (21-23). Dois ensaios aleatórios controlados, realizados no ser humano confirmaram estes benefícios psicológicos (24-25).

Os probióticos são eficazes para tratar os estados depressivos?
“Uma combinação de várias estirpes de probióticos (Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei e Bifidobacterium bifidum) diminui ligeiramente os sintomas de depressão e de ansiedade.” O AAFP (https://www.aafp.org/afp/2018/0315/od2.html)

De que é composto Lactoxira?

A fórmula probiótica Lactoxira é constituída pelas estirpes mais estudadas pela investigação no âmbito da saúde mental e das perturbações dos estados de humor. Baseia-se na mais recente meta análise publicada que abarca 25 estudos realizados com animais e 15 ensaios clínicos no ser humano (26):

  • Bifidobacterius longum (presente no tracto gastrointestinal humano, reduz os sintomas depressivos).
  • Lactobacillus plantarum (presente em alguns alimentos fermentados à base de couve, é neuro protetora e combate os fenómenos inflamatórios).
  • Bifidobacterium bifidum
  • Bifidobacterium lactis
  • Lactobacillus lactis
  • Lactobacillus casei (presente no intestino e na mucosa bucal, aumenta as concentrações de triptofano, de serotonina e de dopamina, provocando uma melhoria sensível do humor nos indivíduos sujeitos a depressão).
  • Lactobacillus brevis (atua na sintomatologia da ansiedade).
  • Lactobacillus salivarius (a mais ativa de todas).

Algumas destas estirpes conseguem resistir à acidez do estômago (caso contrário não seria útil comer iogurtes nem beber kefir), mas – para maximizar a sua sobrevivência e garantir a melhor eficácia da fórmula – a Supersmart acondiciona-as em cápsulas gastro-resistentes que as libertam no local onde devem atuar: no intestino. O número de microrganismos que chegam vivos até este local é, de facto, decisivo para o poder da sua ação. É também a razão pela qual uma dose de Lactoxira contém mais de 100 mil milhões de bactérias (CFU).

Para potenciar ainda mais a sua eficácia, a Supersmart adicionou à fórmula Lactoxira uma proporção ideal de prebióticos. Estes compostos naturais não digeríveis pelo ser humano permitem que os probióticos se desenvolvam e colonizem mais facilmente as vias digestivas.

Cinco boas razões para experimentar Lactoxira

Existem inúmeras razões para consumir probióticos para melhorar a saúde psicológica, mas se fosse preciso reduzi-las a cinco, eis as que salientaríamos:

  1. A OMS estima que as perturbações do foro depressivo representem o primeiro fator de morbilidade e de incapacidade a nível mundial; o número de vítimas está em constante aumento há várias décadas.
  2. Os medicamentos são muito pouco eficazes para tratar a depressão crónica (apenas 30% dos resultados são aceitáveis (27)), a taxa de recaída é muito elevada (cerca de 50%) e os efeitos secundários são numerosos.
  3. Os microrganismos intestinais conseguem fabricar neurotransmissores em tudo idênticos aos que são produzidos no nosso cérebro. E transmitem-nos ao cérebro por meio do nervo pneumogástrico.
  4. O nosso modo de vida moderno leva a um desaparecimento acelerado dos microrganismos intestinais benéficos, o que explica provavelmente o aumento exponencial das doenças auto-imunes e das perturbações do foro depressivo.
  5. Os psicobióticos contribuem para a saúde psicológica, mas proporcionam também todos os benefícios habitualmente atribuídos aos probióticos: diminuição dos marcadores da inflamação, melhoria dos problemas digestivos, otimização da digestão…

Como é que os investigadores identificaram esta nova propriedade?

Há décadas que se suspeitava que o microbiota desempenhava um papel decisivo na constituição dos nossos humores (em 1863, Ludwig Andreas Feuerbach afirmava já que “o ser humano é aquilo que come”), mas restava contudo provar cientificamente a realidade desta atividade.

Ensaios realizados com animais em laboratório permitiram numa primeira fase modificar os comportamentos das espécies selecionadas adicionando probióticos à sua alimentação; dessa forma foi possível constatar que determinadas classes de probióticos podiam tornar os animais mais agressivos ao passo que outras apresentavam propriedades calmantes. Estes primeiros resultados conclusivos incitaram os investigadores a testar a suas hipótese em pessoas ansiosas, depressivas ou sujeitas a um stress crónico. Os resultados foram igualmente conclusivos. Após vários ensaios clínicos, foi assim possível isolar o conjunto das estirpes que revelaram ser as mais ativas neste domínio, de forma a associá-las numa fórmula probiótica de última geração.

Como otimizar a eficácia de Lactoxira?

Procura maximizar os efeitos de Lactoxira? Eis um plano de ação a implementar paralelamente à toma do seu suplemento.

1) Adotar uma alimentação melhor durante todo o período de toma do suplemento (28). Isso passa primeiro por um aumento progressivo dos aportes de fibras alimentares: quanto mais elevado é o nível de fibras, mais baixo é o risco de depressão (29). Trata-se de materiais que são digeríveis unicamente por bactérias benéficas; consumi-las permite por isso fomentar o crescimento dessas bactérias, em detrimento dos organismos patogénicos. Encontramo-las em praticamente todos os frutos e legumes frescos, bem como nos cereais integrais.

Por outro lado, inúmeros trabalhos evidenciam a relação inversamente proporcional entre o consumo de alimentos ricos em ácidos gordos ómega 3 e a depressão (30). Vários investigadores recomendam, por isso, às pessoas deprimidas que aumentem o seu consumo semanal de peixes gordos ou optem por tomar um suplemento de ácidos gordos ómega 3 (1 a 4 g por dia de AEP/ADH) (31-32).

Por último, é importante aumentar os aportes de vitaminas do grupo B (sobretudo ácido fólico). As carências de vitaminas do complexo B são características das pessoas depressivas (33-35). Estes nutrientes desempenham um papel importante na síntese dos neurotransmissores que influenciam os estados de humor (nomeadamente a serotonina e a dopamina).

2) Organizar uma dieta de vida mais saudável durante todo o período de toma do suplemento. Durante a intervenção, seria oportuno deitar-se mais cedo, tentando propiciar um sono de melhor qualidade. É igualmente um período propício para assumir novos projetos, se abrir aos entes queridos e reconhecer os seus medos.

3) Entregar-se à prática de massagens. Vários estudos (36-37) mostraram que as massagens originam uma melhoria do humor e do sono graças à libertação adicional de serotonina e de dopamina.

4) Aumentar significativamente o seu nível de atividade física. A atividade física é indispensável para o equilíbrio mental. As alterações metabólicas por ela induzidas otimizam o funcionamento do cérebro e, nomeadamente, o humor (38-39). Para as sentir é necessário exercer uma atividade física de cerca de trinta minutos pelo menos cinco dias por semana. Se já é o seu caso, seria oportuno aumentar significativamente a intensidade ou a duração da sua atividade física.

É também possível associar Lactoxira a outros complementos alimentares como o SAM-e, uma molécula natural que desempenha um papel decisivo no metabolismo dos neurotransmissores, ou como o hipericão, desde que a sua utilização seja bem enquadrada (a planta interage com inúmeros medicamentos e inúmeras substâncias).

Concebido a partir dos mais recentes trabalhos científicos, Lactoxira permite hoje em dia o impensável: melhorar a sua saúde psicológica influenciando a composição do microbiota e otimizando a comunicação entre intestino-cérebro.

Ler também:
Probióticos – as descobertas mais recentes anunciam uma verdadeira revolução intestinal

Redação: outubro de 2018

Bibliografia

Cepeda, M. S., Katz, E. G., & Blacketer, C. (2017). Microbiome-Gut-Brain Axis: Probiotics and Their Association With Depression. The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences, 29(1), 39–44. doi:10.1176/appi.neuropsych.15120410

França, K., & Lotti, T. (2017). The gut-brain connection and the use of probiotics for the treatment of depression, anxiety and obsessive-compulsive disorders in dermatology. Dermatologic Therapy, 30(5), e12506. doi:10.1111/dth.12506

Notas

  1. World Health Association: Health and nutritional properties of probiotics in food including powder milk with live lactic acid bacteria. Geneva, Switzerland, World Health Association
  2. Ritchie ML, Romanuk TN: A meta-analysis of probiotic efficacy for gastrointestinal diseases. PLoS One 2012; 7:e34938
  3. McFarland LV: Meta-analysis of probiotics for the prevention of antibiotic associated diarrhea and the treatment of Clostridium difficile disease. Am J Gastroenterol 2006; 101:812–822
  4. Hoveyda N, Heneghan C, Mahtani KR, et al: A systematic review and meta-analysis: probiotics in the treatment of irritable bowel syndrome. BMC Gastroenterol 2009; 9:15
  5. Khalesi S, Sun J, Buys N, et al: Effect of probiotics on blood pressure: a systematic review and meta-analysis of randomized, controlled trials. Hypertension 2014; 64:897–903
  6. Cuello-Garcia CA, Brozek JL, Fiocchi A, et al: Probiotics for the _ prevention of allergy: A systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. J Allergy Clin Immunol 2015; 136:952–961
  7. Bravo JA, Forsythe P, Chew MV, et al: Ingestion of Lactobacillus strain regulates emotional behavior and central GABA receptor expression in a mouse via the vagus nerve. Proc Natl Acad Sci USA 2011; 108:16050–16055
  8. Dash S, Clarke G, Berk M, et al: The gut microbiome and diet in psychiatry: focus on depression. Curr Opin Psychiatry 2015; 28:1–6
  9. Wang, H., Lee, I. S., Braun, C., & Enck, P. (2016, October). Effect of probiotics on central nervous system functions in animals and humans: A systematic review. Journal of Neurogastroenterology and Motility, 22(4), 589–605. doi:10.5056/jnm16018
  10. Dinan TG, Stanton C, Cryan JF (2013) Psychobiotics: a novel class of psychotropic. Biol Psychiatry 74(10):720–726
  11. Schousboe A, Waagepetersen HS (2007) GABA: homeostatic and pharmacological aspects. In: Tepper JM, Abercrombie ED, Bolam JP (eds) GABA and the basal ganglia: from molecules to systems, vol 9–19. Elsevier Science B, Amsterdam
  12. Roshchina VV (2010) Evolutionary considerations of neurotransmitters in microbial, plant, and animal cells. In: Lyte M, Freestone PPE (eds) Microbial endocrinology: interkingdom signaling in infectious disease and health. Springer, New York, pp 17–52
  13. Collins SM, Bercik P (2009) The relationship between intestinal microbiota and the central nervous system in normal gastrointestinal function and disease. Gastroenterology 136:2003–2014
  14. Bested AC, Logan AC, Selhub EM: Intestinal microbiota, probiotics and mental health: from Metchnikoff to modern advances, part II: contemporary contextual research. Gut Pathog 2013; 5:3–3
  15. Logan AC, Katzman M: Major depressive disorder: probiotics may be an adjuvant therapy. Med Hypotheses 2005; 64:533– 538
  16. Desbonnet L., Garrett L., Clarke G., Bienenstock J., Dinan T.G. The probiotic Bifidobacteria infantis: An assessment of potential antidepressant properties in the rat. J. Psychiatr. Res. 2008;43:164–174. doi: 10.1016/j.jpsychires.2008.03.009.
  17. Wium-Andersen MK, Ørsted DD, Nielsen SF, et al: Elevated C-reactive protein levels, psychological distress, and depression in 73,131 individuals. JAMA Psychiatry 2013; 70:176–184
  18. Cepeda MS, Makadia R: Depression is associated with high levels of C reactive protein and low levels of exhaled nitric oxide: results from the 2007–2012 National Health and Nutrition Examination Surveys. J Clin Psychiatry (Epub ahead of print, June 21, 2016)
  19. Berk M, Williams LJ, Jacka FN, et al: So depression is an inflammatory disease, but where does the inflammation come from? BMC Med 2013; 11:200
  20. Maes M, Kubera M, Leunis JC et al (2013) In depression, bacterial translocation may drive inflammatory responses, oxidative and nitrosative stress (O&NS), and autoimmune responses directed against O&NS-damaged neoepitopes. Acta Psychiatr Scand 127(5):344–354
  21. Clarke G, Grenham S, Scully P et al (2013) The microbiome-gutbrain axis during early life regulates the hippocampal serotonergic system in a sex-dependent manner. Mol Psychiatry 18(6):666–673
  22. Tillisch K, Labus J, Kilpatrick L, et al: Consumption of fermented milk product with probiotic modulates brain activity. Gastroenterology 2013; 144:1394–1401
  23. Mayer EA, Knight R, Mazmanian SK, et al: Gut microbes and the brain: paradigm shift in neuroscience. J Neurosci 2014; 34:15490– 15496
  24. Steenbergen L, Sellaro R, van Hemert S, et al: A randomized controlled trial to test the effect of multispecies probiotics on cognitive reactivity to sad mood. Brain Behav Immun 2015; 48: 258–264
  25. Messaoudi M, Lalonde R, Violle N, et al: Assessment of psychotropiclike properties of a probiotic formulation (Lactobacillus helveticus R0052 and Bifidobacterium longum R0175) in rats and human subjects. Br J Nutr 2011; 105:755–764
  26. Wang, H., Lee, I. S., Braun, C., & Enck, P. (2016, October). Effect of probiotics on central nervous system functions in animals and humans: A systematic review. Journal of Neurogastroenterology and Motility, 22(4), 589–605. doi:10.5056/jnm16018
  27. Perovic B, Jovanovic M, Miljkovic B, Vezmar S (2010) Getting the balance right: established and emerging therapies for major depressive disorders. Nuropsychiatr Dis Treat 7(6):343–364
  28. Evrensel A., Ceylan M.E. The Gut-Brain Axis: The Missing Link in Depression. Clin. Psychopharmacol. Neurosci. 2015;13:239–244. doi: 10.9758/cpn.2015.13.3.239.
  29. Lai JS, Hiles S, Bisquera A, et al: A systematic review and metaanalysis of dietary patterns and depression in community-dwelling adults. Am J Clin Nutr 2014; 99:181–197
  30. Hibbeln JR. Fish consumption and major depression. Lancet. 1998;351(9110):1213. Lettre; Texte intégral
  31. Jacka EN, Pasco JA, et al. Dietary omega-3 fatty acids and depression in a community sample.Nutr Neurosci. 2004 Apr;7(2):101-6.
  32. Mamalakis G, Tornaritis M, Kafatos A. Depression and adipose essential polyunsaturated fatty acids. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 2002;67(5):311-318.
  33. Tolmunen T, Hintikka J, et al. Dietary folate and the risk of depression in Finnish middle-aged men. A prospective follow-up study. Psychother Psychosom. 2004 Nov-Dec;73(6):334-9.
  34. Papakostas GI, Petersen T, et al. The relationship between serum folate, vitamin B12, and homocysteine levels in major depressive disorder and the timing of improvement with fluoxetine. Int J Neuropsychopharmacol. 2005 Dec;8(4):523-8. Erratum in: Int J Neuropsychopharmacol. 2005 Dec;8(4):528.
  35. Papakostas GI, Petersen T, et al. The relationship between serum folate, vitamin B12, and homocysteine levels in major depressive disorder and the timing of improvement with fluoxetine. Int J Neuropsychopharmacol. 2005 Dec;8(4):523-8. Epub 2005 May 9. Erratum in : Int J Neuropsychopharmacol. 2005 Dec;8(4):528.
  36. Hou WH, Chiang PT, et al. Treatment effects of massage therapy in depressed people: a meta-analysis. J Clin Psychiatry. 2010 Mar 23.
  37. Field T, Hernandez-Reif M, et al. Cortisol decreases and serotonin and dopamine increase following massage therapy. Int J Neurosci. 2005;115(10):1397-413.
  38. Brosse AL, Sheets ES, et al. Exercise and the treatment of clinical depression in adults: recent findings and future directions. Sports Med. 2002;32(12):741-60. Review
  39. Lawlor DA, Hopker SW. The effectiveness of exercise as an intervention in the management of depression: systematic review and meta-regression analysis of randomised controlled trials. BMJ. 2001 Mar 31;322(7289):763-7.
Dose diária: 2 cápsulas
Número de doses por caixa: 30
Quantidade por dose
Lactobacillus salivarius 28 x 109CFU
Lactobacillus plantarum 12 x 109CFU
Lactobacillus casei 12 x 109CFU
Lactobacillus brevi 12 x 109CFU
Lactobacillus lactis 12 x 109CFU
Bifidobacterium bifidum 12 x 109CFU
Bifidobacterium longum 11 x 109CFU
Bifidobacterium lactis 11 x 109CFU
Outros ingredientes: goma de acácia, farelo de arroz.


Adultos. Tomar 2 cápsulas por dia. Precauções: Conservar no frigorífico.

Precauções: Não exceda a dose diária recomendada. Este produto é um suplemento nutricional que não devem substituir uma dieta variada e equilibrada. Manter fora do alcance das crianças. Armazenar longe de luz, calor e umidade. Como com qualquer suplemento nutricional, consulte um profissional de saúde antes de usar se estiver grávida, amamentando ou se você tiver um problema de saúde.
 
Descubra alguns testemunhos dos nossos clientes
close

Gratuito

Obrigado pela sua visita; antes de partir

INSCREVA-SE NO
Club SuperSmart
E beneficie
de vantagens exclusivas:
Continuar as minhas compras
keyboard_arrow_up