INNOVATION AND EXCELLENCE SINCE 1992
Início
  >  
Categorias
  >  
Probióticos e prebióticos
  >  
Organic Acacia
Organic Acacia
Novo
Organic Acacia
Organic Acacia – Uma fonte de fibras solúveis 100% bio
  • Origem saudável e natural (Acacia senegal e Acacia seyal), 100% bio
  • Elevada tolerância digestiva (fermentação progressiva)
  • Ajuda a reduzir os aportes calóricos
  • Contribui para manter uma glicémia estável1
see review

Quantidade : 100 g 18.00 €
(20.35 US$)
juntar ao cesto

+

O que é a goma de acácia?

A goma de acácia (também conhecida como goma arábica) é um exsudado natural de seiva recolhida no tronco e nos ramos de arbustos florestais de certas espécies de acácia. Esta seiva era tradicionalmente consumida pelas populações africanas e indianas para melhorar o conforto digestivo e o trânsito intestinal. Trata-se de uma mistura de polissacáridos e de glicoproteínas – compostos muito particulares que o organismo humano não consegue digerir. Esta particularidade permite-lhe escapar às enzimas digestivas e servir assim de fonte de energia para certas espécies benéficas da flora intestinal (os probióticos), em particular as bactérias do tipo Bifidobacterium e as que são capazes de produzir ácido láctico. Corresponde por isso à definição de “prebiótico” proposta por uma equipa de investigadores: “Um ingrediente fermentado selectivamente que permite alterações específicas tanto na composição como na actividade da microflora intestinal, o que lhe confere potencialmente efeitos benéficos para o bem-estar e a saúde2.

De onde vem Organic Acacia? Como é produzida?

A seiva que serviu para o fabrico de Organic Acacia provém de duas espécies de acácia que respeitam as exigências da agricultura biológica: a Acacia senegal (L.) selvagem e a Acacia seyal Delile3. Estas duas espécies são abundantes na África saariana (Magreb, Mali, Senegal, Sudão…). O exsudado é produzido ao nível dos troncos e dos ramos quando a árvores sofre alterações fisiológicas durante o período seco. A produção de goma desencadeia-se depois de os tecidos estarem em contacto com o exterior; pode tratar-se de incisões voluntárias ou de lesões causadas pelo vento, a secura, plantas parasitas ou insectos roedores. Após a recolha, a seiva endurece e é depois submetida a uma purificação muito fina na forma líquida para eliminar todas as impurezas (minerais ou orgânicas). O xarope de goma obtido é depois esterilizado a alta temperatura por um período de tempo muito curto, e, de seguida, seco e transformado num pó muito solúvel.

Quais são os mecanismos de acção da goma de acácia?

A goma de acácia contém entre 90 a 97% de fibras solúveis. Trata-se de constituintes vegetais que resistem às enzimas digestivas salivares e intestinais bem como à flora bucal e intestinal.

Quando chegam intactas ao cólon, confrontam-se com mais de 400 espécies diferentes de bactérias que coabitam como o ser humano. De entre estas espécies, algumas conseguem utilizá-las como carburante para aumentar o seu desenvolvimento: os probióticos, conhecidos como sendo benéficos para um grande número de funções do corpo humano.

Estudos in vitro mostraram que, entre os vários géneros de bactérias que colonizam o cólon (benéficas ou patogénicas) são as estirpes do género Bifidobacterium que são as mais capazes de utilizar a goma de acácia para o respectivo crescimento4. Trata-se de um género de bactérias envolvido na prevenção de várias doenças e na manutenção da saúde geral.

Não é tudo pois a degradação destas fibras leva, por seu lado, à produção de metabolitos, eles próprios positivos para outras espécies benéficas; os ácidos gordos de cadeia curta, produzidos pelas bifidobactérias, estimulam assim o crescimento de certas bactérias que produzem ácido láctico.

O ciclo de virtudes pode mesmo ir mais longe, dado que – ao propiciar as bactérias benéficas – aumenta-se a capacidade destas para combater as bactérias patogénicas que procuram também colonizar o meio5.

Em teoria, estas fibras alimentares provocam por isso dois tipos de alterações:
  • uma modulação da flora intestinal;
  • uma estimulação da actividade metabólica (produção de ácidos gordos de cadeia curta, baixa do pH do conteúdo luminal).
6

Que diz a investigação a propósito da goma de acácia?

A comunidade científica interessa-se muitíssimo pelas fibras solúveis, nomeadamente pela goma de acácia, para um número crescente de aplicações.
Nem todas estas aplicações são unanimemente reconhecidas pela comunidade científica, quer por se tratar de um campo novo e os investigadores estarem apenas no início das suas investigações, quer por os estudos em questão por vezes se contradizerem, não serem suficientemente exactos, de muito fraca qualidade metodológica ou interessando-se por grupos da população demasiado específicos.

Aumento das bactérias benéficas no cólon (bifidobactérias)

Vários estudos (principalmente estudos in vitro7-8) observaram um aumento das bactérias do género Bifidobacterium no cólon, na sequência da toma de um suplemento de goma de acácia.

O investigador Wyatt e sua equipa9 estudaram a evolução do número de bactérias do género Bifidobacterium que ocupavam o cólon de um voluntário antes e após a toma de um suplemento de goma de acácia (10 g por dia). Constataram um aumento significativo.

Este aumento foi depois confirmado num estudo realizado em ocultação envolvendo 10 voluntários saudáveis e que consumiram durante 10 dias goma de acácia (10 ou 15 g) ou um placebo10. Este efeito pareceu mais pronunciado nos indivíduos que – no início – apresentavam uma quantidade de bifidobactérias mais baixa do que a média.

Diminuição dos microrganismos patogénicos gastrointestinais

As bifidobactérias inibem o crescimento das bactérias patogénicas, primeiro pelo seu desenvolvimento natural, mas também pela sua capacidade de reduzir o pH no cólon11.

Dois estudos (in vitro)12 mostraram a influência potencial da goma de acácia no crescimento de bactérias do género Clostridium e na produção da respectiva toxina correspondente.

Aumento da produção dos ácidos gordos de cadeia curta (AGCC) Como as bactérias do tipo Bifidobacterium produzem ácidos gordos de cadeia curta, um aumento da quantidade destas bactérias deveria, logicamente, fazer-se acompanhar por uma subida da produção destes ácidos.

Trata-se de ácidos gordos benéficos para o organismo, constituídos a 95% por acetato, proprionato e butirato. Embora todos contribuam para reduzir o pH do meio, cada um desempenha um papel suplementar diferente:
  • o butirato é utilizado como uma substância de ajuda ao desenvolvimento pelas células epiteliais do cólon e é frequentemente considerado como uma molécula-chave envolvida no controlo de várias funções fisiológicas (luta contra a permeabilidade intestinal);
  • o propionato é metabolizado pelas células hepáticas e poderia desempenhar um papel na regulação do metabolismo dos lípidos e dos açúcares;
  • o acetato seria utilizado mais pelos tecidos periféricos.
Inúmeros estudos in vitro13-14 e realizados com animais15-16 mostraram que as fibras contidas na goma de acácia causam um aumento dos AGCC, mas, nos humanos, os resultados são mais mitigados. Alguns investigadores explicam esta incoerência pela dificuldade de contabilizar os ácidos gordos da forma adequada, dado que estes têm tendência para ser rapidamente absorvidos pelas células do cólon.

Assim, dois estudos17-18 não conseguiram demonstrar qualquer subida na quantidade de AGCC após uma toma diária de 25 e 6 g de goma de acácia. Por conseguinte, este aumento de produção não foi reconhecido oficialmente como sendo um efeito benéfico para a população geral saudável.

Aumento da saciedade

Sabe-se que as fibras alimentares contribuem para reduzir os aportes calóricos aumentando a sensação de saciedade; as fibras solúveis incham ao absorver água e dão ao estômago a sensação física de estar saciado19-21.

Outros domínios de interesse

A investigação prossegue para as aplicações potenciais seguintes:
  • a regulação dos marcadores da inflamação;
  • a influência nos sintomas do cólon irritável e nos sintomas inflamatórios cujas manifestações têm impacto na permeabilidade da barreira intestinal;
  • o auxílio na manutenção do metabolismo renal. Alguns investigadores interessaram-se, por exemplo, nas consequências das dietas hiperproteicas (frequentes na Europa e na América do Norte) e de vários factores de risco (como a diabetes de tipo 2, as doenças cardiovasculares e a hipertensão) no funcionamento dos rins. Alguns estudos deixam perceber que um consumo de fibras de acácia poderia apresentar um interesse (redução da uricémia, crises de gota) neste domínio;
  • o auxílio na manutenção dos índices adequados de colesterol.

Existem riscos na utilização da goma de acácia? Existem contra-indicações?

Em 2001, a administração francesa reconheceu oficialmente a goma de acácia como sendo uma fonte dietética de fibras solúveis (tal como o Psyllium blond).

Os dados de ensaios clínicos mencionam uma muito boa tolerância digestiva; são raras as flatulências, os inchaços e outras cãibras intestinais que acompanham muitas vezes as fibras solúveis. Isso explica-se pelo facto de a goma de acácia ser degradada mais lentamente pelas bactérias do que a maioria dos outros prebióticos e de a produção total dos compostos de fermentação (hidrogénio, metano, dióxido de carbono) parecer inferior à dos FOS22.
Com uma toma de 10 g por dia (ou seja, 2 doses), o número de fezes e o peso fecal não sofrem alterações.
Foram comunicados casos muito raros de intolerância alérgica à goma de acácia.

Os mais recentes avanços da investigação

O efeito da toma de um suplemento de goma de acácia no índice de tecido adiposo visceral e na tensão arterial dos indivíduos com diabetes de tipo 2 – Março de 2018

Dado que determinados estudos realizados em animais mostraram que a goma de acácia podia melhorar o metabolismo lipídico graças a um efeito antioxidante e induzir uma melhoria da função capilar, alguns investigadores interessaram-se pelo seu efeito no índice de tecido adiposo visceral. Este tipo de tecido é um indicador tanto da distribuição das gorduras como do risco aumentado de obesidade abdominal e de hipertrigliceridemia.

O estudo25 envolveu 100 pessoas com diabetes de tipo 2. De entre elas, 50 tomaram diariamente um suplemento de 30 g de goma de acácia, enquanto as outras 50 tomaram um placebo.

O colesterol HDL (muitas vezes chamado “colesterol bom”) aumentou cerca de 20% nas pessoas que tomaram o suplemento, ao passo que não teve qualquer evolução no grupo que tomou o placebo. Os triglicéridos não evoluíram nos dois grupos, enquanto o índice de tecido adiposo visceral sofreu uma redução de 23,7% no grupo que tomou o suplemento.

Estes resultados lembram as conclusões de outros estudos (um com humanos26 e dois com animais27-28), que evidenciaram um possível efeito anti obesidade da goma arábica. Os investigadores deixam supor uma possível melhoria da sensibilidade à insulina e da homeostasia glucídica29 para explicar os resultados obtidos.

Nenhum dos autores declara qualquer conflito de interesses relacionado com a publicação deste estudo.

Fermentação da goma de acácia (in vitro): impacto no microbiota fecal – Janeiro de 2018

Duas doses de goma de acácia e de fruto-oligosacáridos (um outro prebiótico) foram testadas durante 48 horas num sistema artificial reconstituindo o cólon (com o mesmo pH, a mesma temperatura e as estirpes que se encontram num cólon humano). Foram colhidas amostras no início da experiência e depois 5 horas, 10 horas, 24 horas e 48 horas após esse início.

No estudo, a fermentação da goma de acácia propiciou as Bifidobacteria e Lactobacillus spp, um grupo de micróbios benéficos30. O efeito perdurou 10 horas depois, e mesmo 24 depois, o que poderia confirmar uma fermentação lenta, como foi sugerido por trabalhos anteriores31. Paralelamente, a quantidade de bactérias patogénicas Clostridium histolyticum diminuiu com o avançar da fermentação, o que corresponde a várias das teses já formuladas. Por fim, aumentou também a produção de AGCC, e nomeadamente do acetato, do propionato e do butirato. Os efeitos dos FOS foram comparáveis aos da goma de acácia.

Nenhum dos autores declara qualquer conflito de interesses relacionado com a publicação deste estudo.

As perguntas frequentes dos internautas

Porque é que o preço de Organic Acacia é mais elevado do que o de outras gomas de acácia?

Mais de trinta espécies de acácias produzem gomas, mas só as gomas produzidas pela Acacia senegal (goma dura) e pela Acacia seyal (goma friável) são de qualidade (sendo que a goma produzida pela Acacia senegal é de melhor qualidade do que a produzida pela Acacia seyal). Ora, a seiva que serviu para o fabrico de Organic Acacia é justamente extraída destas duas espécies e é certificada como sendo 100% de origem biológica.

Esta qualidade superior traduz-se forçosamente na remuneração dos produtores e no preço final do produto comercializado.

Porque é que Organic Acacia não é produzido na Europa?

As árvores que produzem goma de acácia gostam sobretudo de solos arenosos e de temperaturas que se mantêm altas durante todo o ano. Não é, por isso, possível produzir uma goma de acácia de origem europeia.

Qual é o peso molecular da goma de acácia?

Situa-se entre 300 e 800 kDa.

A que produtos podemos associar Organic Acacia?

Na forma de suplemento, a goma de acácia é muitas vezes associada a outras substâncias como Mastic Gum ou probióticos. Quem deseje beneficiar paralelamente de um efeito detox para o fígado pode optar pelo Desmo Forte™ ou pelo LIV 52®.

É preciso guardar Organic Acacia no frigorífico?

Os prebióticos resistem ao calor, o que os preserva aliás durante todo o processo de fabrico e permite incorporá-los a qualquer prato.

A produção de Organic Acacia pode ser nefasta para o ambiente?

A árvore que dá goma garante a protecção e a melhoria dos solos onde cresce; o seu sistema de raízes muito ramificado protege o solo da erosão e estabiliza as dunas. Contribui também para a fertilização dos solos fornecendo uma quantidade considerável de azoto, de fósforo e de proteínas sob a sua copa. A sua contribuição para a reciclagem dos elementos químicos foi objecto de vários trabalhos32-33.

As excisões praticadas na árvore são fatais para ela?

A acácia é robusta: uma vez sujeita a excisão, reage logo após as primeiras chuvas34.

A produção de Organic Acacia pode ser prejudicial para as populações locais?

A produção da goma arábica atrai as populações rurais; os rendimentos provenientes da sua recolha completam muitas vezes os tirados da venda do algodão, dos cereais ou da pecuária. Trata-se de regiões que conhecem 9 a 11 meses de seca biológica por ano, e os habitantes contam por isso cada vez mais com estes recursos. Até porque todas as partes da árvore podem ser utilizadas pelos criadores (folhas, cascas e frutos), quer para alimentar os animais, quer como combustível ou como fertilizante.

Temos de estar preparados para certos efeitos secundários com Organic Acacia?

Os estudos in vitro indicam que a fermentação das fibras de acácia é relativamente fraca e não provocaria efeitos secundários indesejáveis no consumidor saudável35.

Que dosagem devemos privilegiar?

O efeito parece significativo com cerca de 10 a 15 g/dia36. Um estudo aleatório realizado em dupla ocultação envolvendo 96 voluntários mostrou que uma dose inferior a 6 g/dia induzia um aumento significativo de bifidobactérias, relativamente a um grupo de controlo. Por outro lado, é certo que doses elevadas podem provocar efeitos secundários tais como diarreias ou desconfortos digestivos37.
Duas doses (2 x 5 g) fornecem cerca de 40% da porção diária recomendada em fibras (25 g).
Recomenda-se portanto um consumo mínimo de 2 doses por cada período de 24 horas, diluídas num líquido à sua escolha (água ou bebidas vegetais), idealmente antes das refeições.

Organic Acacia contém OGM?

Não. É certificado como sendo não OGM e de origem biológica. É, aliás, adequado para vegetarianos e pessoas que seguem uma dieta FODMAP.

Actualização: 30/03/2018

Referências
1. EFSA Journal 2010; 8(2):1475
2. GIBSON G.R., PROBERT H.M., LOO J.V., RASTALL R.A., ROBERFROID M.B., Dietary modulation of the human colonic microbiota : updating the concept of prebiotics. Nutr. Res. Rev. 17 : 259-275, (2004).
3. CHERBUT C., MICHEL C., RAISON V., KRAVTCHENKO T., SEVERINE M., Acacia gum is a bifidogenic dietary fibre with high digestive tolerance in healthy humans, Microbial Ecology in Health and Disease, 15: 43 -50, (2003).
4. SALYERS AA. et al., Degradation of polysaccharides by intestinal bacterial enzymes. Am. J. Clin. Nutr. 31:S128-130, (1978).
5. ROBERFROID M., Prebiotics : the concept revisited, J. Nutr.,137:830S-837S, (2007)
6. MICHEL C., KRAVTCHENKO T.P., DAVID A., GUENEAU S., KOZOLOWSKI F., CHERBUT C., In vitro prebiotic effects of acacia gums onto the human intestinal microbiota depends on both botanical origin and environmental pH. Anaerobe 1998;257-66.
7. MARZORATI M., QIN B., HILDEBRAND F., KLOSTERBUER A., ROUGHEAD Z., ROESSLE C., ROCHAT F., RAES J., POSSEMIERS S., 2015. Addition of acacia gum to a FOS/inulin blend improves its fermentation profile in the simulator of the human intestinal microbial ecosystem (SHIMEV R). J. Funct. Foods. 16:211–222.
8. TERPEND K., POSSEMIERS S., DAGUET D., MARZORATI M. 2013. Arabinogalactan and fructo-oligosaccharides have a different fermentation profile in the Simulator of the Human Intestinal Microbial Ecosystem (SHIMEV R). Environ. Microbiol. Rep. 5:595–603.
9. WYATT T.M., BAYLISS C.E., HOLCROFT J.D., A change in human faecal flora in response to inclusion of gum arabic in the diet, British Journal of Nutrition, 55, 261–266, (1986).
10. Gjore NAKOV, Darina GEORGIEVA, Nastya IVANOVA, Stanka DAMYAANOVA, Viktorija STAMATOVSKA, Ljupka NECINOVA, Prebiotic Effects of Inulin and Gum Acacia (REVIEW), Food and Environment Safety, Volume XIV, Issue 2 – 2015, pag. 148 – 156
11. GIBSON G.R., ROBERFROID M.B. 1995., Dietary modulation of the human colonic microbiota : introducing the concept of prebiotics. J. Nutr. 125:1401–1412
12. MAY et al., 1994; MICHEL et al., 1998
13. BOURQUIN L.D., TITGEMEYER E.C., FAHEY G.C. Jr., GARLEB K.A., Fermentation of dietary fibre by human colonic bacteria : disappearance of, short-chain fatty acid production from, and potential water-holding capacity of, various substrates. Scand. J. Gastroenterol. 1993;28:249-55.
14. TITGEMEYER E.C., BOURQUIN L.D., FAHEY G.C. JR., GARLEB K.A., Fermentability of various fiber sources by human fecal bacteria in vitro. Am. J. Clin. Nutr. 1991;53:1418-24
15. TOPPING D.L., MOCK S., TRIMBLE R.P., STORER G.B., ILLMAN R.J., Effects of varying the content and proportions of gum arabic and cellulose on caecal volatile fatty acid concentrations in the rat. Nutrition Research 1988;8:1013-20
16. ANNISON G., TRIMBLE R.P., TOPPING D.L., Feeding Australian Acacia gums and gum arabic leads to non-starch polysaccharide accumulation in the cecum of rats. J.Nutr. 1995;125:283-92.
17. MCLEAN ROSS A.H., EASTWOOD M.A., BRYDON W.G., ANDERSON J.R., ANDERSON D.M., A study of the effects of dietary gum arabic in humans. Am. J. Clin. Nutr. 1983;37:368-75.
18. OCHAT F., BAUMGARTNER M., JANN A., ROCHAT C., NIELSEN G., REUTELER G. AND BALLÈVRE O. ,Synergistic effect of prebiotics on human intestinal microflora. 2001 – Ref Type: Personal Communication
19. MÂLKKI Y. AND VIRTANEN E., 2001, Gastrointestinal Effects of Oat Bran and Oat Gum A Review, Lebensm.- Wiss. u.- Technol. 34; 337-347
20. NORTON I.T., FRITH W.J., ABLETT S., 2006, Fluid gel mixed fluid gels and satiety, Food Hydrocolloids 20; 229-239
21. MARCIANI L., GOWLAND P.A., SPILLER R.C., MANOJ P., PRETIMA M., MOORE R.J., YOUNG P., AL-SAHAB S., BUSH D., WRIGHT J., FILLERY-TRAVIS A.J., 2000, Gastric Response to Increased Meal Viscosity Assessed by Echo-Planar Magnetic Resonance Imaging in Humans, The Journal of Nutrition, 130 (1); 122-127
22. CHERBUT C., MICHEL C., RAISON V., KRAVTCHENKO T.P., MEANCE S., Acacia gum is a bifidogenic dietary fiber with high digestive tolerance in healthy humans. Microbial. Ecol. Health. Dis. 2003;15:43-50.
23. MCLEAN ROSS A.H., EASTWOOD M.A., BRYDON W.G., BUSUTTIL A., MCKAY L.F., A study of the effects of dietary gum arabic in the rat. Br. J. Nutr. 1984;51:47-56.
24. MCLEAN ROSS A.H., EASTWOOD M.A., BRYDON W.G., ANDERSON J.R., ANDERSON D.M., A study of the effects of dietary gum arabic in humans. Am. J. Clin. Nutr. 1983;37:368-75.
25. BABIKER RASHA, ELMUSHARAF KHALIFA et al., Effect of Gum Arabic (Acacia Senegal) supplementation on visceral adiposity index (VAI) and blood pressure in patients with type 2 diabetes mellitus as indicators of cardiovascular disease (CVD): a randomized and placebo-controlled clinical trial, Lipids Health Dis. 2018; 17 : 56. doi: 10.1186/s12944-018-0711-y
26. BABIKER R., MERGHANI T.H., ELMUSHARAF K., BADI R.M., LANG F., SAEED A.M., Effects of Gum Arabic ingestion on body mass index and body fat percentage in healthy adult females : two-arm randomized, placebo controlled, double-blind trial. Nutr. J. 2012;11(1):111. doi : 10.1186/1475-2891-11-111.
27. AHMED A.A., MUSA H.H., FEDAIL J.S., SIFALDIN A.Z., MUSA T.H., Gum arabic decreased visceral adipose tissue associated with downregulation of 11β-hydroxysteroid dehydrogenase type I in liver and muscle of mice. Bioact. Carbohydr. Diet Fibre. 2015;6(1):31–36. doi : 10.1016/j.bcdf.2015.06.004.
28. USHIDA K., HATANAKA H., INOUE R., TSUKAHARA T., PHILLIPS G.O. Effect of long term ingestion of gum arabic on the adipose tissues of female mice. Food Hydrocoll. 2011;25(5):1344–1349. doi : 10.1016/j.foodhyd.2010.12.010
29. DREW B.G., RYE K.A., DUFFY S.J., BARTER P., KINGWELL B.A., The emerging role of HDL in glucose metabolism. Nat. Rev. Endocrinol. 2012;8(4):237–245. doi : 10.1038/nrendo.2011.235.
30. OUWEHAND A.C., TIIHONEN K., SAARINEN M., PUTAALA H., RAUTONEN N., 2009. Influence of a combination of Lactobacillus acidophilus NCFM and lactitol on healthy elderly : intestinal and immune parameters. Br. J. Nutr. 101:367–375.
31. RUSSELL D.A., ROSS R.P., FITZGERALD G.F., STANTON C., 2011. Metabolic activities and probiotic potential of bifidobacteria. Int. J. Food Microbiol. 149:88–105.
32. DEANS J.D., DIAGNE O., LINDLEY D.K., DIONE M., PARKINSON J.A., 1999. Nutrient and organic-matter accumulation in Acacia senegal fallows over 18 years. Forest Ecology and Management 124 :153-167.
33. DOMMERGUES Y., 1993. L’atelier sur les symbioses acacias. Bois et Forêts des Tropiques, 238 : 21-34.
34. GIFFART P.L., 1965. Étude des possibilités du Tchad en gomme arabique. Ministère de la Coopération, Paris, France, 98 p.
35. CHERBUT C., MICHEL C., RAISON V., KRAVTCHENKO T., SEVERINE M., Acacia gum is a bifidogenic dietary fibre with high digestive tolerance in healthy humans, Microbial Ecology in Health and Disease, 15: 43 -50, (2003).
36. BARAY S., Chapter 7: Acacia Gum, Section I:Soluble Fibers, In: Fiber Ingredients: Food Applications and Health Benefits, (Edited by Cho S.S., Samuel P.). CRC Press,Taylor & Francis group, 121-131 (2009)
37. Babiker R, Merghani TH, Elmusharaf K, Badi RM, Lang F, Saeed AM. 2012. Effects of gum Arabic ingestion on body mass index and body fat percentage in healthy adult females: two-arm randomized, placebo controlled, double-blind trial. Nutr J. 201211:111

Dose diária: 2 doses
Nombre de doses par boîte: 20

Quantidade
por dose

Fibregum™ (goma de acácia proveniente de agricultura biológica) 5 g
Fibregum™, Nexira, França.


adultos. Tomar 2 doses por dia diluídas num líquido à sua escolha (água ou bebida vegetal).
Cada dose contém 2,5 g de Fibregum™, goma de acácia proveniente de agricultura biológica.

Precauções: Não exceda a dose diária recomendada. Este produto é um suplemento nutricional que não devem substituir uma dieta variada e equilibrada. Manter fora do alcance das crianças. Armazenar longe de luz, calor e umidade. Como com qualquer suplemento nutricional, consulte um profissional de saúde antes de usar se estiver grávida, amamentando ou se você tiver um problema de saúde.
 
Descubra alguns testemunhos dos nossos clientes

Gratuito

Obrigado pela sua visita; antes de partir

INSCREVA-SE NO
Club SuperSmart
E beneficie
de vantagens exclusivas:
  • Um desconto permanente de 5% em todas as suas compras
  • Gratuito: a publicação científica semanal "Nutranews"
  • Promoções exclusivas para membros do clube
Continuar as minhas compras
keyboard_arrow_up