0
pt
US
COVID-19: as entregas ainda estão garantidas. No entanto, os prazos de entrega poderão ser prolongados. Contacto
X
× SuperSmart Informar-se por pergunta de saúde Artigos novos Artigos populares Visitar a nossa loja A minha conta Smart Prescription Blog Programa de fidelização Idioma: Português
Anti-idade Listas

Inflamação crónica – o ponto de situação em 10 informações essenciais

A inflamação é um mecanismo do organismo para lutar contra as agressões. Mas quando se torna excessiva, o corpo sofre com ela. O essencial em 10 pontos.
glóbulos vermelhos e brancos
Amostra de sangue ao microscópico
Rédaction Supersmart.
2020-01-29Comentários (0)

É simples: o corpo não pode passar sem inflamação; é um dos seus principais mecanismos de defesa. Contudo, em alguns casos, verifica-se uma expressão exagerada destes mecanismos por parte do organismo, com efeitos nocivos. Quando isso acontece, falamos de inflamação crónica; o próprio corpo deixa de conseguir regular esta reação e isso pode ter consequências graves. Fazemos o ponto de situação em 10 coisas a saber sobre a inflamação crónica.

A inflamação é um processo natural e benéfico

É mesmo um dos principais mecanismos de defesa contra as agressões. Esta pode ser mecânica (ferida, lesão) ou microbiana (infeção). Por vezes, é autoimune; o corpo ativa as suas defesas contra si próprio.

Qual é o mecanismo normal da inflamação? Quando ocorre uma agressão, são enviados sinais químicos, que desencadeiam a dilatação dos vasos e a chegada das células imunitárias. São estas células que vão combater ativamente o que está na origem do ataque. Esta reação ocasiona os sinais que constatamos habitualmente: vermelhidão, calor, inchaço e dor, por vezes pulsátil (impressão de um pulso a bater no local da inflamação). Esta inflamação é, por conseguinte, uma reação imunitária e é frequente bastar tratar a agressão.

A inflamação excessiva tem várias origens possíveis

Se a agressão continuar ativa, então a inflamação também continua ativa. Pode tratar-se de elementos exteriores, como o álcool consumido em quantidade excessiva, que conduz a uma inflamação contínua do fígado (cirrose). A poluição do ar e o tabaco provocam esta inflamação ao nível dos pulmões. Tal como certas bactérias, como o bacilo de koch, que provoca a tuberculose – uma doença inflamatória crónica.

Certas disposições genéticas podem também originar patologias deste tipo, como a espondilite anquilosante. Fala-se também das patologias autoimunes, como o lúpus e a psoríase... que são caracterizadas, nomeadamente, por esta inflamação crónica. Pensa-se também que a obesidade e a síndrome metabólica – ou seja, um conjunto de fatores de risco cardiovascular (hipertensão arterial, colesterol e glicémia demasiado elevados, por exemplo) são um fator de desenvolvimento da inflamação crónica no organismo (1). O stress e a sedentariedade seriam também elementos eu propiciam o seu surgimento.

Existe uma ligação entre a inflamação crónica e a saúde mental

Um grupo de investigadores mostrou que certos fatores inflamatórios podiam também atingir o sistema nervoso central. Quando esta inflamação perdura, pode ter consequências nos neurónios e no respetivo funcionamento. Certas patologias nervosas seriam então afetadas por um agravamento: depressão, distúrbios bipolares, autismo ou ainda esquizofrenia. Estas descobertas enriquecem a pista do tratamento da inflamação crónica para aliviar os pacientes que sofrem de problemas psiquiátricos (2). No caso específico da depressão, a fonte inflamatória está cada vez mais bem documentada. Certas moléculas inflamatórias como as citocinas produzem igualmente moléculas tóxicas para o sistema nervoso e limitam a produção das hormonas como a serotonina. Esta última regula o humor e um défice serotoninérgico é uma das causas da depressão. Uma inflamação crónica aumentaria portanto o risco de desenvolvimento da depressão (3).

Quais são as patologias caracterizadas por uma inflamação crónica?

As patologias inflamatórias crónicas são doenças a longo prazo. As doenças inflamatórias do intestino (rectocolite hemorrágica, doença de Crohn), a psoríase, a esclerose múltipla, a sarcoidose, a artrose e seus derivados (poliartrite reumatóide por exemplo)...

A inflamação crónica faz também parte dos fatores no caso de inúmeras outras patologias: obesidade, diabetes, acne, fibromialgia

Os sintomas são, frequentemente silenciosos

Contrariamente à sua forma aguda, a inflamação crónica pode ser silenciosa durante muito tempo, ou seja, assintomática. Podemos sofrer de uma doença inflamatória sem nos darmos conta; é muito evidente no caso da diabetes, da aortite, de certas formas de artrose…

Por vezes existem sintomas, mas não são característicos, como uma fadiga excessiva ou problemas digestivos. Acontece, portanto, que os sintomas agudos da inflamação – como a dor – só surgem mais tarde; o tratamento é então muitas vezes mais pesado. Estes sinais um pouco difusos representam a árvore que esconde a floresta e é necessária uma colheita de sangue para detetar problemas inflamatórios.

A alimentação desempenha um papel crucial na inflamação


É frequente dizer-se: a alimentação é o primeiro remédio! Este conceito também funciona no sentido inverso: uma alimentação desequilibrada desestabiliza o organismo. Consumir glúcidos simples (açúcar de fruta, todos os açúcares adicionados) e lípidos “maus” em excesso provoca uma reação inflamatória, associada a um consumo insuficiente de fibras. Convém, por isso, limitar o consumo de refeições prontas a comer, de charcutaria e até de produtos lácteos. Do lado do açúcar, é aconselhável evitar os produtos de pastelaria, as bebidas açucaradas e as farinhas refinadas…

Por outro lado, conhecemos as ligações entre a inflamação e o equilíbrio intestinal. A flora intestinal é constituída por inúmeros microrganismos que não são patogénicos e são sobretudo necessários ao equilíbrio do corpo. Quando o microbiota intestinal enfraquece, constata-se um desequilíbrio geral do organismo, sobretudo ao nível inflamatório. Por último, as doenças inflamatórias do intestino evoluem, em 20% dos casos, para cancro coloretal (4). A estabilização da flora intestinal constitui, por conseguinte, uma esperança terapêutica em inúmeras patologias.

As ligações entre inflamação crónica e envelhecimento prematuro

Se o risco de inflamação crónica aumenta com a idade, constitui também uma das causas do envelhecimento prematuro. Tanto assim é que se inventou um neologismo para designar este fenómeno: inflammaging (5). Conhecemos os seus efeitos nocivos, nomeadamente no funcionamento geral do organismo – que aceleram o processo natural de envelhecimento. É o caso, por exemplo, de patologias tais como a diabetes ou a degeneração macular associada à idade (DMLA). E sabemos também que a inflamação crónica atua na pele: limita a renovação celular, leva a um relaxamento dos tecidos e, por conseguinte, à formação de rugas!

Qual é o papel da atividade física?

Independentemente de existir ou não qualquer patologia inflamatória, a prática regular e moderada de uma atividade física tem efeitos benéficos. Em todo o organismo, aliás. O desporto praticado nestas condições limita, de facto, visivelmente a produção de células pró-inflamatórias. 20 a 30 minutos por dia são suficientes para tirar partido da ação anti-inflamatória do desporto! Dica: caminhar a passo acelerado conta como uma atividade física (6).

Convém, no entanto, ser prudente, nomeadamente quando se sofre de artrose ou de patologias inflamatórias articulares em geral. Alguns desportos propiciam a artrose, nomeadamente os que envolvem impactos fortes ou torções, como o ténis ou os desportos de equipa (7). As atividades físicas como o ciclismo ou a natação são mais recomendadas. O ideal é consultar um médico para identificar uma atividade adaptada às patologias inflamatórias a que apresenta risco.

A obesidade é uma doença inflamatória

A obesidade e a inflamação apresentam ligações que podemos qualificar como sendo perigosas. A obesidade propicia a inflamação crónica, mas o inverso não é também verdade? De facto, a inflamação crónica propicia a resistência à insulina. Esta deixa de funcionar corretamente e o nível de açúcar no sangue sobe em flecha. Fala-se então de ciclo vicioso. Por outro lado, uma sobrecarga alimentar fadiga o metabolismo. Os mecanismos de eliminação passam o testemunho aos mecanismos de armazenamento; o açúcar nos músculos e no fígado e as gorduras nos adipócitos. Estas células aumentam a reacção inflamatória, alimentando o ciclo. O tratamento da inflamação faz parte das pistas terapêuticas mais estudadas no âmbito do excesso de peso e da obesidade.

Existem soluções naturais para controlar a inflamação

Já o dissemos, é necessária uma alimentação equilibrada para limitar a inflamação crónica. Alguns alimentos são ainda mais indicados face à sua ação ação anti-inflamatória. A curcuma, por exemplo, deu provas relativamente a vários mecanismos inflamatórios (8). A groselha, por seu lado, é reputada pelas suas propriedades anti-inflamatórias (9), tal como o cranberry, o mirtilo ou a baga de goji (10). Do lado dos complementos alimentares, determinadas moléculas revelaram também importantes qualidades anti-inflamatórias.

Um dos nossos complementos alimentares reúne as melhores de entre elas (curcumina, bromelaína, gingeróis, quercetina, rutina…) e integra 3 produtos patenteados de elevada qualidade (Perluxan®, 5-Loxin® e Bioperine®): InflaRelief Formula. Graças à variedade dos seus constituintes e ao seu largo espetro de ação, permite lutar eficazmente contra o “inimigo silencioso” inflamatório e opõe-se aos seus múltiplos mecanismos.

Conclusão

A inflamação crónica é caracterizada por mecanismos complexos, por vezes ainda não esclarecidos pela comunidade científica. No caso de uma patologia inflamatória crónica, é crucial seguir o tratamento aconselhado pelo médico. Num quadro de prevenção, uma alimentação equilibrada e a prática regular de uma atividade física são os primeiros passos na luta contra a inflamação.

Referências

  1. Cancello, R. and Clément, K. (2006), Review article: Is obesity an inflammatory illness? Role of low‐grade inflammation and macrophage infiltration in human white adipose tissue. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology, 113: 1141-1147.
  2. Pape K, Tamouza R, Leboyer M, Zipp F. Immunoneuropsychiatry - novel perspectives on brain disorders. Nat Rev Neurol. 2019 Jun;15(6):317-328.
  3. Gałecki P, Talarowska M. Inflammatory theory of depression. Psychiatr Pol.2018 Jun 30;52(3):437-447.
  4. Modifier la flore intestinale pour lutter contre les cancers colorectaux - Fondation ARC. Consulté en novembre 2019.
  5. Claudio Franceschi, Judith Campisi, Chronic Inflammation (Inflammaging) and Its Potential Contribution to Age-Associated Diseases, The Journals of Gerontology: Series A, Volume 69, Issue Suppl_1, 1 June 2014, Pages S4–S9. 
  6. Stoyan Dimitrov, Elaine Hulteng, Suzi Hong, Inflammation and exercise: Inhibition of monocytic intracellular TNF production by acute exercise via β2-adrenergic activation, Brain, Behavior, and Immunity, Volume 61, 2017, Pages 60-68. 
  7. Jean-Luc Ziltener, Sandra Leal, Stéphane Borloz, Activités physiques – sport et arthrose, Rev Med Suisse 2012; volume 8. 564-570. 
  8. Jurenka, Anti-inflammatory Properties of Curcumin, a Major Constituent of Curcuma longa: A Review of Preclinical and Clinical Research, Alternative Medicine Review Volume 14, Number 2 2009. 
  9. Tyler Benn, Bohkyung Kim, Young-Ki Park, Casey J. Wegner, Ellen Harness, Tae-Gyu Nam, Dae-Ok Kim, Jong Suk Lee, Ji-Young Lee, Polyphenol-rich blackcurrant extract prevents inflammation in diet-induced obese mice, The Journal of Nutritional Biochemistry, Volume 25, Issue 10, 2014, Pages 1019-1025. 
  10. Nardi GM, Farias Januario AG, Freire CG, et al. Anti-inflammatory Activity of Berry Fruits in Mice Model of Inflammation is Based on Oxidative Stress Modulation. Pharmacognosy Res. 2016;8(Suppl 1):S42–S49. 
  11. Kantor ED, Lampe JW, Vaughan TL, Peters U, Rehm CD, White E. Association between use of specialty dietary supplements and C-reactive protein concentrations. Am J Epidemiol. 2012 Dec 1;176(11):1002-13.
Se gostou, partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário
Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião
A nossa seleção de artigos
Células humanas agredidas por espécies reativas de oxigénio
O que é o stress oxidativo?

O stress oxidativo (ou oxidante) corresponde ao ataque das células pelos radicais livres. Quando estes últimos se tornam demasiado numerosos, o corpo deteriora-se, deixando de os poder controlar. Façamos o ponto de situação sobre as fontes de radicais livres, respetivas consequências e pistas para melhor os regular.

Sinais de envelhecimento nas mãos enrugadas e com manchas de uma pessoa idosa
Quais as diferentes causas do envelhecimento?

O envelhecimento do organismo deve-se a uma combinação de fatores genéticos e ambientais: encurtamento do ADN, stress oxidativo, glicação excessiva... Fazemos o ponto de situação sobre o envelhecimento e respetivas causas, bem como sobre as formas de atrasá-lo.

Inverter o envelhecimentov - uma nova etapa ultrapassada com este composto

Quanto mais envelhecemos, mais a nossa resistência diminui. Trata-se de uma fatalidade a que ninguém escapa, pelo menos actualmente. Esta fatalidade explica-se, nomeadamente, por um enfraquecimento progressivo dos nossos vasos sanguíneos e mais particularmente da respectiva capacidade de fornecer os nutrientes indispensáveis ao bom funcionamento dos tecidos musculares.

fotografia de uma quarentona a sorrir
10 conselhos a aplicar diariamente para atrasar o envelhecimento

Para atrasar o envelhecimento do organismo, podem ser ativados – diariamente – vários mecanismos. Os nossos 10 conselhos para envelhecer mais devagar.

A curcuma desmantela um triturador de proteínas envolvido no cancro

Se se interessa pelas medicinas naturais, não pode ter passado ao lado desta planta a que chamamos “o sol em pó” e que faz as delícias das populações asiáticas há milhares de anos: a curcuma.

Duas pessoas falam sobre cancro
A conversa sobre cancro que gostaria de ter lido mais cedo

Alimentação, impacto do stress, causas possíveis das mutações, explicação dos fenómenos… Dois interlocutores exploram em profundidade os recantos do cancro.

Estes produtos devem interessar-lhe

Novo
Senolytic ComplexSenolytic Complex

Os senolíticos – uma fórmula revolucionária para destruir as células senescentes que estão na origem do envelhecimento

84.00 €(91.28 US$)
+
Mitochondrial FormulaMitochondrial Formula

Rejuvenecer as células senescentes gerando novas mitocôndrias

59.00 €(64.12 US$)
+
AMPK BoosterAMPK Booster

A enzima celular que propicia a longevidade e reduz a acumulação de gorduras.

42.00 €(45.64 US$)
+
Nicotinamide Mononucleotide 125 mgNicotinamide Mononucleotide 125 mg

E agora invertemos! Novidade mundial! Este potenciador do NAD+ poderia inverter verdadeiramente o envelhecimento!

59.00 €(64.12 US$)
+
Novo
Dragonhead extractDragonhead extract

Um extrato anti-idade de cabeça-de-dragão para imitar a restrição calórica

42.00 €(45.64 US$)
+
Astragaloside IV 98%Astragaloside IV 98%

Um avanço anti-idade absolutamente excepcional! Aproveite a oferta de lançamento "Pacote longevidade" Astragaloside IV + Resveratrol Synergy -->

98.00 €(106.50 US$)
+
Astragalus ExtractAstragalus Extract

Extracto hidroglicerinado de Astragalus em gotas A "Fonte de Juventude" milenar da medicina chinesa.

19.00 €(20.65 US$)
+
Nicotinamide Riboside 125 mgNicotinamide Riboside 125 mg

"Molécula milagre", "Incrível vitamina oculta"

69.00 €(74.98 US$)
+
© 1997-2020 Supersmart.com® - Reservados todos os direitos de reprodução
© 1997-2020 Supersmart.com®
Reservados todos os direitos de reprodução
Nortonx
secure
Engano:
ok