0
pt
US
WSM
216883233
O seu carrinho está vazio.
Menu
Benefícios dos carinhos

Podemos viver sem carinhos?

Que papel desempenham os carinhos? Estas trocas de afetos são cruciais para a nossa sobrevivência? Descubra o número de carinhos diários preconizados pela ciência.

O carinho – um gesto protetor que relembra a infância

Antes de tudo, convém definir o que é um carinho. Um carinho é um contacto físico durante o qual dois indivíduos ficam nos braços um do outro. Literalmente, um carinho é um abraço. Portanto, não é nada de sexual.

Ora, este contacto físico prolongado, é em primeiro lugar o da mãe ou do pai com o seu recém-nascido. Estudos realizados demonstraram que os bebés prematuros que eram colocados em contacto com o peito dos progenitores em vez de serem postos na incubadora de imediato após o parto ganhavam 47% mais de peso do que os outros. Por último, alguns estudos evidenciaram que os carinhos na primeira infância alteram a manifestação de determinados genes na criança, até à adolescência.

Cada carinho remete, assim, sistemática e inconscientemente, a este gesto protetor do início da vida, característico a todos os mamíferos.

As hormonas libertadas pelos carinhos e os respetivos benefícios

Na idade adulta, os carinhos continuam a libertar uma quantidade de ocitocina (“a hormona do amor e do apego”) suficiente para estimular o sistema imunitário e conservar o seu lugar num grupo de indivíduos (a tribo ou a matilha, seja ela qual for) (1-6). Certos médicos afirmam, aliás, que 4 carinhos por dia permite, passar o inverno sem se constipar (7)…

Se a ocitocina é considerada como a hormona da sociabilidade e do apego, é porque influencia a confiança, a empatia, a generosidade, a sexualidade, a ligação conjugal e social; propicia um comportamento protetor da mãe para com os filhos; estimula a lactação na mulher que amamenta; inibe as hormonas do stress nas interações sociais, etc.

Além de ocitocina, os carinhos libertam endorfinas (hormonas do bem-estar e anti dor), dopamina (hormona do prazer e da motivação) e serotonina (hormona da felicidade). Uma verdadeira arma anti depressão!

Um bom carinho dura 20 segundos

“4 carinhos por dia para sobreviver, 8 para funcionar, 12 para crescer”; eis a prescrição célebre de uma psicoterapeuta americana que se debruçou sobre esta questão.

Para produzir estes efeitos, o carinho deve durar, no mínimo, 20 segundos. Ora, na medida em que – segundo os estudos realizados – os carinhos duram na realidade entre 4 e 5 segundos, chegamos a este número mágico de 4 carinhos para “sobreviver”.

Os carinhos adicionais constituem um “bónus”; vários estudos evidenciaram os efeitos benéficos em termos de empatia, de confiança em si mesmo e nos outros, das defesas imunitárias, etc. de uma injeção diária de ocitocina. Injeção essa que corresponde à quantidade de ocitocina produzida por um verdadeiro carinho de 20 segundos.

Em todas as idades, portanto, pelo menos 1 verdadeiro carinho de 20 segundos (ou 4 carinhos pequenos) por dia constitui o mínimo para, sobreviver pelo menos saudável a nível físico e do estado de espírito.

Quais são as alternativas aos carinhos para se sentir mais confiante e descontraído(a)?

Para maximizar o seu sentimento de bem-estar e lutar contra o stress, são possíveis várias opções.

Por exemplo, tomar L-teanina, uma molécula nootrópica que encontramos principalmente no chá verde. A L-teanina (disponível em maiores quantidades em Suntheanine) aumentaria os níveis cerebrais de dopamina e de serotonina.

Citemos também a S-adenosil-L-metionina, conhecida como SAM-e, um metabolito que propicia igualmente a produção deste duo de hormonas do bem-estar.

A planta Mucuna pruriens, por seu lado, contém uma molécula com inúmeros benefícios: a levodopa, um precursor natural da dopamina.

Pode também apostar na aveia verde selvagem (cf. Natural Dopamine Support) ou na PEA, um outro precursor eficaz da dopamina, que encontramos no suplemento PEA e na alga azul Aphanizomenon flos-aquae (AFA Extract), excelente para o estado de espírito.

O CONSELHO SUPERSMART

Referências

  1. https://www.revmed.ch/revue-medicale-suisse/2012/revue-medicale-suisse-333/l-ocytocine-hormone-de-l-amour-de-la-confiance-et-du-lien-conjugal-et-social
  2. BUCHHEIM, Anna, HEINRICHS, Markus, GEORGE, Carol, et al.Oxytocin enhances the experience of attachment security. Psychoneuroendocrinology, 2009, vol. 34, no 9, p. 1417-1422.
  3. GORDON, Ilanit, ZAGOORY-SHARON, Orna, LECKMAN, James F., et al.Oxytocin, cortisol, and triadic family interactions. Physiology & behavior, 2010, vol. 101, no 5, p. 679-684.
  4. LI, Tong, WANG, Ping, WANG, Stephani C., et al.Approaches mediating oxytocin regulation of the immune system. Frontiers in immunology, 2017, vol. 7, p. 693.
  5. STRATHEARN, Lane. Maternal neglect: oxytocin, dopamine and the neurobiology of attachment. Journal of neuroendocrinology, 2011, vol. 23, no 11, p. 1054-1065.
  6. MACGILL, Markus. What is the link between love and oxytocin. Medical News Today, 2017.
  7. COHEN, Sheldon Ed et SYME, S. I. Social support and health. Academic Press, 1985.

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita