INNOVATION AND EXCELLENCE SINCE 1992
Início
  >  
Categorias
  >  
Vitaminas
  >  
Vitamin D3 5000 UI
Vitamin D3 5000 UI
Vitamin D3 5000 UI
Forma biodisponível da vitamina D3 para uma absorção ideal
  • Contra a carência frequente em vitamina D.
  • Propicia a saúde cardiovascular.
  • Reforça a saúde dos ossos e permite uma melhor assimilação do cálcio.
  • Ajuda a reduzir o risco de queda associado à fraqueza muscular e à osteoporose.
  • Ajuda a limitar as perdas em minerais dos ossos nas mulheres menopáusicas.
  • Dosagem de 5000 UI.
see review

Quantidade : 60 softgels 18.00 €
(20.50 US$)
juntar ao cesto

+Certificado de Análise

Vitamin D3 5000 UI é um complemento alimentar de exceção, que contém 5000 UI de vitamina D3 (a forme de vitamina D mais biodisponível) por cápsula de gelatina mole. É reforçado por óleo vegetal de girassol para maximizar a sua absorção.

A toma diária ou duas vezes por semana do suplemento Vitamin D3 5000 UI provoca rapidamente uma subida dos níveis circulantes de vitamina D, comprovado por análises ao sangue, e afeta positivamente as funções cardiovasculares, endócrinas, nervosas, imunes e cognitivas.

A quem se destina o complemento alimentar Vitamin D3 5000 UI?

Os estudos mais recentes mostram que a quase totalidade das pessoas (1-4) que vivem em latitudes médias e elevadas têm níveis de vitamina D inadequados entre o mês de outubro e o mês de abril (5-6). Os níveis mais baixos são atingidos em março (7-8).

Vitamin D3 5000 UI destina-se a todos os que vivem em França, em Itália, na Alemanha, em Espanha, nos Países Baixos, em Portugal, na Polónia, no Reino Unido, no Canadá e nos Estados Unidos para as estações outonais e invernais.

A vitamina D pode ser sintetizada pelo organismo por ação dos raios ultravioleta (UV-B) do sol. Contudo, as condições para que esta produção seja eficaz são reduzidas nas regiões temperadas do hemisfério norte devido, como é evidente, ao ângulo de elevação do sol e do estado do tempo nestas estações, mas também ao nosso modo de vida urbano; nesta altura do ano não saímos à rua o suficiente, e muitas vezes cobrimos demasiado o corpo para que a produção de vitamina D persista. O pico de produção cai rapidamente a partir do mês de novembro e os stocks são rapidamente esgotados.

Vitamin D3 5000 UI pode ser também utilizado na primavera e no verão por várias categorias da população (40% das pessoas têm níveis inadequados durante estes períodos):

  • As pessoas de pele escura que vivem nas latitudes médias e elevadas, porque têm necessidade de mais sol para produzir a mesma quantidade de vitamina D do que as pessoas de pele clara.
  • As pessoas com mobilidade reduzida ou que não se expõem suficientemente ao sol.
  • As pessoas com excesso de peso pois as camadas adiposas situadas sob a pele sequestram a vitamina D produzida a partir dos raios de sol.
  • As pessoas com mais de 50 anos (9), devido a uma menor exposição ao sol (pele frágil) e de uma conversão mais difícil dos precursores da vitamina D em vitamina D propriamente dita nas camadas epiteliais superficiais da pele.
  • As pessoas com doenças ósseas.
  • As pessoas que sofrem de má absorção e de doenças inflamatórias intestinais porque têm mais dificuldades em absorver as gorduras.
  • As pessoas que seguem dietas alimentares específicas (sem carne, sem peixe, sem ovos ou sem produtos enriquecidos com vitamina D).
  • As pessoas que vivem em cidades poluídas, pois o CO2 absorve os raios UV.
  • As pessoas que utilizam de forma sistemática cremes anti-UVB (índice >15) pois podem reduzir até 99% os UVB que penetram na pele.

Para todas estas pessoas, Vitamin D3 5000 UI representa muitas vezes a via mais segura para fazer subir rapidamente os níveis de vitamina D e mantê-los ao longo de todo o ano.

Quais são os efeitos de uma falta de vitamina D?

A vitamina D não é verdadeiramente uma vitamina; deveria ser considerada mais como uma hormona. Desempenha inúmeros papéis no organismo, entre os quais retemos mais frequentemente as ações decisivas na absorção intestinal do cálcio alimentar, na respetiva fixação ao nível dos ossos, na função muscular, na preservação das funções cognitivas, no sistema imunitário e na renovação celular de inúmeros tecidos.

Os efeitos de uma carência podem passar despercebidos durante vários anos, mas revelam-se catastróficos a longo prazo: enfraquecimento dos ossos (osteomalácia), osteoporose, dores ósseas, fraqueza muscular, dores articulares (nomeadamente ao nível dos pulsos, dos tornozelos e dos ombros), enxaquecas, risco acrescido de depressão, insónias, perda de cabelo (10) …

Pelo contrário, níveis ideais de vitamina D proporcionam inúmeros benefícios para a saúde:

  • uma otimização da saúde óssea (11-13);
  • uma diminuição do risco de doença cardiovascular e de AVC (para aportes de pelo menos 600 UI por dia (14));
  • uma baixa da tensão arterial (para aportes de pelo menos 2000 UI por dia (15));
  • uma melhoria dos níveis de colesterol no sangue (para aportes de pelo menos 2000 UI por dia (16));
  • uma melhoria da força e do equilíbrio muscular (17) (para aportes de pelo menos 800 UI a 1000 UI por dia);
  • uma diminuição do risco de problemas neurocognitivos e de doenças auto-imunes;
  • uma possível diminuição da dor no âmbito da fibromialgia (para aportes de pelo menos 2400 UI por dia (18)).

Quais são os aportes ideais de vitamina D?

Os níveis sanguíneos de vitamina D a partir dos quais estes benefícios são observados continuam a ser debatidos. Os dados mais recentes levam a crer que níveis circulantes superiores a 50 nmol/L, até 75 nmol/L, seriam os ideais para a saúde geral. Pelo contrário, níveis inferiores a 30 nmol/L foram associados a efeitos nefastos para a saúde.

Para atingir uma concentração sanguínea de mais de 75 nmol/L, é frequentemente necessário tomar um suplemento com uma dose diária de, pelo menos 2000 UI. Ficou demonstrado que a toma diária de um suplemento de 3000 UI durante 8 semanas provocava uma concentração de mais de 75 nmol/L de 25(OH)D (19-20).

Em 2010 mais de 40 investigadores internacionais lançaram um apelo para sensibilizar os médicos para a importância da vitamina D na prevenção da osteoporose e das doenças cardiovasculares. Recomendaram para toda a população ocidental (que vive nas latitudes médias) a toma de um suplemento de 1000 a 2000 UI, nomeadamente entre outubro e março.

E os aportes alimentares?

As fontes alimentares de vitamina D são muito limitadas. Contam-se principalmente as gorduras de origem animal e, nomeadamente as dos peixes gordos, bem como alguns produtos alimentares enriquecidos artificialmente, como os laticínios e certos óleos vegetais e bebidas vegetais.

Segundo o estudo francês SUVIMAX, a alimentação apenas forneceria em média 136 UI de vitamina D por dia. Os níveis circulantes provêm portanto sobretudo da produção endógena do organismo a partir dos raios UV-B.

Em que é que Vitamin D3 5000 UI se demarca dos outros complementos?

Vitamin D3 5000 UI é um complemento alimentar de exceção que apresenta 3 grandes vantagens:

  1. Contém vitamina D3 , mais eficaz do que a vitamina D2 – uma forma encontrada nos produtos de origem vegetal (23). Pensou-se durante muito tempo que as duas formas eram equivalentes, mas os ensaios mais recentes mostram que não é esse o caso.
  2. Com 5000 UI por unidade, a sua dosagem é forte. Foi concebido para utilizações diárias (neste caso, é preferível fazer uma dosagem da 25-hidroxivitamina D), duas vezes por semana ou uma vez por semana. A eficácia da toma de um suplemento oral de 1000 a 10 000 UI por dia foi confirmada em vários estudos (24-27).
  3. Foi acondicionado na forma de cápsula de gelatina mole e contém óleo de girassol para maximizar a absorção da vitamina D. Ensaios comparativos mostraram que esta forma é mais bem absorvida do que a forma seca e que induz um aumento mais significativo dos níveis de 25(OH)D no sangue.

As perguntas mais frequentes dos internautas

Com que frequência se deve tomar Vitamin D3 5000 UI?

Como a vitamina D é lipossolúvel, o organismo pode armazená-la nas gorduras quando os aportes são superiores às necessidades.

Teoricamente, é portanto possível ingerir mega doses de vitamina D (100 000 a 500 000 UI) mensalmente ou até anualmente. Contudo, está demonstrado que doses diárias correspondem melhor à situação natural à qual o ser humano se adaptou. Doses fortes de vitamina D apresentam, aliás, vários efeitos negativos, como um aumento do risco de quedas e de fraturas, de infeções respiratórias (28), de hipercalcemia (demasiado cálcio no sangue, com sintomas como obstipação) e uma diminuição da produção natural de melatonina (um mediador do sono).

Por isso, mais vale optar por um complemento como Vitamin D3 5000 UI que pode ser tomado diariamente (5000 UI por dia), de dois em dois dias (ou seja, 2500 UI por dia), duas vezes por semana (cerca de 1400 UI por dia) ou uma vez por semana (ou seja, cerca de 700 UI por dia).

Passei muito tempo ao sol este verão. Os meus níveis de vitamina D podem estar demasiado elevados?

Não. Passar longos períodos ao sol não aumenta os níveis de vitamina D para além de um determinado patamar. A exposição excessiva ao sol deteriora a pré-vitamina D3 (aquela que é convertida em D3 ao nível da pele) e a própria vitamina D3. Uma forte exposição ao sol durante o verão não será suficiente para manter níveis suficientes durante os meses de inverno.

O envelhecimento reduz a capacidade de produzir vitamina D?

As pessoas com mais de 50 anos de idade continuam a conseguir produzir vitamina D a partir dos raios de sol, mas – por várias razões – essa produção é menor e os níveis de vitamina D circulante têm tendência para ser mais fracos.

Quais são os benefícios da vitamina D nos problemas cognitivos?

A investigação demonstrou a presença de recetores hormonais da vitamina D (VDRs) nos neurónios e nas células gliais do hipocampo, do hipotálamo, do córtex e do sub-córtex, que são regiões cerebrais envolvidas no funcionamento cognitivo (29).
A fixação da vitamina D nestes recetores desencadeia mecanismos protetores contra os processos envolvidos nos problemas neurocognitivos (30). A vitamina D tem igualmente um efeito anti atrófico, controlando a síntese de agentes neurotróficos como o Nerve Growth Factor (NGF) ou o Glial cell line-Derived Neurotrophic Factor (GDNF) (31).

Estas propriedades poderiam explicar as observações segundo as quais níveis fracos de vitamina D nos idosos estão associados a problemas cognitivos (32-33) e à doença de Alzheimer (34).

A análise de coorte InCHIANTI permitiu estabelecer uma ligação entre hipovitaminose D e problemas cognitivos, e mostrou que os idosos que tinham falta de vitamina D (< 25 nmol/L) apresentavam um risco consideravelmente acrescido de declínio cognitivo global relativamente aos que tinham concentrações elevadas da vitamina (> 75 nmol/L) (35). Este resultado foi confirmado por outros estudos prospetivos, nomeadamente a análise de coortes MrOS (36) e SOF (37). Um estudo mostrou até que consumir mais de 800 UI de vitamina D por dia permite dividir o risco de doença de Alzheimer por 5 após 7 anos (38).

Atenção:
A maioria dos idosos apresenta uma hipovitaminose D, mas isso não quer dizer que todos irão desenvolver doença de Alzheimer. Por isso, é improvável que esta falta de vitamina D seja a único responsável pelo surgimento da doença de Alzheimer, e que a toma de um suplemento de vitamina D seja o suficiente para prevenir esta doença (42).

Como tomar Vitamin D3 5000 UI?

É imperioso tomar Vitamin D3 5000 UI durante a refeição mais rica em gorduras do dia. Esta precaução aumenta 30 a 60% a eficácia (39) do suplemento. As gorduras propiciam a secreção de bílis, que aumenta a absorção da vitamina D.

Pode verificar a eficácia de Vitamin D 5000 UI perguntando ao seu médico qual a dosagem da 25-hidroxivitamina D (40) antes e depois da toma do suplemento. Trata-se do melhor biomarcador da vitamina D (41).

Atualização da redação: janeiro de 2019

Referências

  1. Ganji V, Zhang X, Tangpricha V. Serum 25-hydroxyvitamin D concentrations and prevalence estimates of hypovitaminosis D in the U.S. population based on assay-adjusted data. J Nutr 2012;142(3):498–507. doi: 10.3945/jn.111.151977
  2. Greene-Finestone LS, Berger C, de Groh M, Hanley DA, Hidiroglou N, Sarafin K et al. 25-Hydroxyvitamin D in Canadian adults: biological, environmental, and behavioral correlates. Osteoporos Int2011;22(5):1389–1399. doi: 10.1007/s00198-010-1362-7
  3. Płudowski P. Konstantynowicz J, Jaworski K. Assessment of vitamin D status in Polish adult population. Standardy Medyczne/Pediatria 2014;(11):609–617.
  4. Vierucci F, Del Pistoia M, Fanos M, Erba P, Saggese G. Prevalence of hypovitaminosis D and predictors of vitamin D status in Italian healthy adolescents. It J Pediatr 2014;40:54 doi: 10.1186/1824-7288-40-54
  5. Hyppo¨nen E, Power C. Hypovitaminosis D in British adults at age 45 y: nationwide cohort study of dietary and lifestyle predictors. Am J
  6. Darling AL, Hart KH, Macdonald HM, Horton K, Kang’ombe AR, Berry JL, Lanham-New SA. Vitamin D deficiency in UK South Asian women of childbearing age: a comparative longitudinal investigation with UK European women. Osteoporos Int 2013;24:477–88
  7. Kroll MH, Bi C, Garber CC, Kaufman HW, Liu D, Caston-Balderrama A et al. Temporal Relationship between Vitamin D Status and Parathyroid Hormone in the United States. PLoS ONE 2015;10(3): e0118108 doi: 10.1371/journal.pone.0118108
  8. Brot C, Vestergaard P, Kolthoff N, Gram J, Hermann AP, Sùrensen OH. Vitamin D status and its adequacy in healthy Danish perimenopausal women: relationships to dietary intake, sun exposure and serum parathyroid hormone. Br J Nutr. 2001;86 Suppl 1:S97–103. doi: 10.1079/BJN2001345
  9. http://ajcn.nutrition.org/content/36/6/1225.full.pdf
  10. Khan, Q. J., & Fabian, C. J. (2010). How I Treat Vitamin D Deficiency. Journal of Oncology Practice, 6(2), 97–101. doi:10.1200/jop.091087
  11. Christakos S, Dhawan P, Verstuyf A, Verlinden L, Carmeliet G. Vitamin D: metabolism, molecular mechanism of action, and pleiotropic effects. Physiological Reviews 2016; 96 (1): 365–408. doi: 10.1152/physrev.00014.2015 [PMC free article] [PubMed]
  12. Holick MF, Binkley NC, Bischoff-Ferrari HA, Gordon CM, Hanley DA, Heaney RP, et al. Guidelines for preventing and treating vitamin D deficiency and insufficiency revisited. J Clin Endocrinol Metab2012;97:1153–1158. doi: 10.1210/jc.2011-2601
  13. Romagnoli E, Pepe J, Piemonte S, Cipriani C, Minisola S. Management of endocrine disease: value and limitations of assessing vitamin D nutritional status and advised levels of vitamin D supplementation. Eur J Endocrinol 2013;169(4):59–69.
  14. Sun et al, Vitamin D intake and risk of cardiovascular disease in US men and women, Am J Clin Nutr. 2011 June 8
  15. Qin, X. F., Zhao, L. S., Chen, W. R., Yin, D. W., & Wang, H. (2015). Effects of vitamin D on plasma lipid profiles in statin-treated patients with hypercholesterolemia: A randomized placebo-controlled trial. Clinical Nutrition, 34(2), 201–206. doi:10.1016/j.clnu.2014.04.017
  16. Qin, X. F., Zhao, L. S., Chen, W. R., Yin, D. W., & Wang, H. (2015). Effects of vitamin D on plasma lipid profiles in statin-treated patients with hypercholesterolemia: A randomized placebo-controlled trial. Clinical Nutrition, 34(2), 201–206. doi:10.1016/j.clnu.2014.04.017
  17. Cangussu, L. M., Nahas-Neto, J., Orsatti, C. L., Bueloni-Dias, F. N., & Nahas, E. A. P. (2015). Effect of vitamin D supplementation alone on muscle function in postmenopausal women: a randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial. Osteoporosis International, 26(10), 2413–2421. doi:10.1007/s00198-015-3151-9
  18. Wepner, F., Scheuer, R., Schuetz-Wieser, B., Machacek, P., Pieler-Bruha, E., Cross, H. S., … Friedrich, M. (2014). Effects of vitamin D on patients with fibromyalgia syndrome: A randomized placebo-controlled trial. Pain, 155(2), 261–268. doi:10.1016/j.pain.2013.10.002
  19. Gröber U, Spitz J, Reichrath J, Kisters K, Holick MF. Vitamin D: Update 2013: From rickets prophylaxis to general preventive healthcare. Dermatoendocrinol 2013;5(3):331–347. doi: 10.4161/derm.26738
  20. Wacker M, Holick MF. Sunlight and Vitamin D: A global perspective for health. Dermato-endocrinol2013;5(1):51–108. doi: 10.4161/derm.24494
  21. Wacker M, Holick MF. Sunlight and Vitamin D: A global perspective for health. Dermato-endocrinol2013;5(1):51–108. doi: 10.4161/derm.24494
  22. Engelsen O. The relationship between ultraviolet radiation exposure and vitamin D status. Nutrients. 2010. May;2(5):482–95. doi: 10.3390/nu2050482
  23. Tripkovic, L., Wilson, L. R., Hart, K., Johnsen, S., de Lusignan, S., Smith, C. P., … Lanham-New, S. A. (2017). Daily supplementation with 15 μg vitamin D 2 compared with vitamin D 3 to increase wintertime 25-hydroxyvitamin D status in healthy South Asian and white European women: a 12-wk randomized, placebo-controlled food-fortification trial . The American Journal of Clinical Nutrition, 106(2), 481–490. doi:10.3945/ajcn.116.138693.
  24. Al-Shaar L, Mneimneh R, Nabulsi, Maalouf J, Fuleihan Gel-H. Vitamin D3 dose requirement to raise 25-hydroxyvitamin D to desirable levels in adolescents: Results from a randomized controlled trial. J Bone Miner Res 2014;29(4):944–51. doi: 10.1002/jbmr.2111
  25. Biancuzzo RM, Clarke N, Reitz RE, Travison TG, Holick MF. Serum concentrations of 1,25-dihydroxyvitamin D2 and 1,25-dihydroxyvitamin D3 in response to vitamin D2 and vitamin D3 supplementation. J Clin Endocrinol Metab 2013;98:973–979. doi: 10.1210/jc.2012-2114
  26. Heaney RP, Davies K, Chen T, Holick MF, Barger-Lux MJ. Human serum 25-hydroxycholecalciferol response to extended oral dosing with cholecalciferol. Am J Clin Nutr 2003;77:204–210.
  27. Ng K, Scott JB, Drake BF, Chan AT, Hollis BW, Chandler PD et al. Dose response to vitamin D supplementation in African Americans: results of a 4-arm, randomized, placebo-controlled trial. Am J ClinNutr 2014;99(3):587–98. doi: 10.3945/ajcn.113.067777
  28. Martineau AR, Cates CJ, Urashima M, Jensen M, Griffiths AP, Nurmatov U, Sheikh A, Griffiths CJ, Stefanidis C. Vitamin D for the management of asthma. Cochrane Database of Systematic Reviews 2016, Issue 9. Art. No.: CD011511. DOI: 10.1002/14651858.CD011511.pub2.
  29. Annweiler C, Brugg B, Peyrin JM, Bartha R, Beauchet O. 2014. Combination of memantine and vitamin D prevents axon degeneration induced by amyloid-beta and glutamate. Neurobiol. Aging 35: 331–335.
  30. Annweiler C, Beauchet O. 2011. Vitamin D-mentia: randomized clinical trials should be the next step. Neuroepidemiology 37: 249– 258.
  31. Brown J, Bianco JI, McGrath JJ, Eyles DW. 2003. 1,25-Dihydroxyvitamin D-3 induces nerve growth factor, promotes neurite outgrowth and inhibits mitosis in embryonic rat hippocampal neurons. Neurosci. Lett. 343: 139–143.
  32. Buell JS, Dawson-Hughes B, Scott TM, et al. 2010. 25-Hydroxyvitamin D, dementia, and cerebrovascular pathology in elders receiving home services. Neurology 74: 18–26.
  33. Etgen T, Sander D, Bickel H, Sander K, Förstl H. 2012. Vitamin D deficiency, cognitive impairment and dementia: a systematic review and meta-analysis. Dement. Geriatr. Cogn. Disord. 33: 297–305
  34. Annweiler C, Llewellyn DJ, Beauchet O. 2013. Low serum vitamin D concentrations in Alzheimer’s disease: a systematic review and meta-analysis. J. Alzheimers Dis. 33: 659–674.
  35. Llewellyn DJ, Lang IA, Langa KM, et al. 2010. Vitamin D and risk of cognitive decline in elderly persons. Arch. Intern. Med. 170: 1135–1141.
  36. Slinin Y, Paudel ML, Taylor BC, et al. 2010. Osteoporotic Fractures in Men (MrOS) Study Research Group. 25-Hydroxyvitamin D levels and cognitive performance and decline in elderly men. Neurology 74: 33–41.
  37. Slinin Y, Paudel M, Taylor BC, et al. 2012. Study of Osteoporotic Fractures Research Group. Association between serum 25(OH) vitamin D and the risk of cognitive decline in older women. J. Gerontol. A Biol. Sci. Med. Sci. 67: 1092–1098.
  38. Annweiler C, Beauchet O. 2012. Possibility of a new anti-alzheimer’s disease pharmaceutical composition combining memantine and vitamin D. Drugs Aging 29: 81–91.
  39. Dawson-Hughes, B., Harris, S. S., Lichtenstein, A. H., Dolnikowski, G., Palermo, N. J., & Rasmussen, H. (2015). Dietary Fat Increases Vitamin D-3 Absorption. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 115(2), 225–230. doi:10.1016/j.jand.2014.09.014
  40. Hollis BW. Circulating 25-hydroxyvitamin D levels indicative of vitamin D sufficiency: implications for establishing a new effective dietary intake recommendation for vitamin D. J Nutr 2005;135:317–322.
  41. Hollis BW. Circulating 25-hydroxyvitamin D levels indicative of vitamin D sufficiency: implications for establishing a new effective dietary intake recommendation for vitamin D. J Nutr 2005;135:317–322.
  42. Cédric Annweiler. Les effets neurocognitifs de la vitamine D chez la personne âgée. OCL 2014, 21(3) D307. Clin Nutr 2007;85:860–8.
Dose journalière : 1 softgel
Nombre de doses par boîte : 60
Quantidade por dose
Vitamina D3 5000 UI
Outros ingredientes: óleo de girassol


adultos. Tomar um softgel por dia ou seguir as indicações do seu terapeuta.
Atenção: Para além de 2000 UI por dia é aconselhável fazer uma análise a 25-hidroxi vitamina D. Em caso de doença renal, não tomar vitamina D3 sem se aconselhar com o seu terapeuta. Não ultrapassar as 10 000 UI por dia, em todas as suas formas combinadas, sem recomendação do seu terapeuta.

Precauções: Não exceda a dose diária recomendada. Este produto é um suplemento nutricional que não devem substituir uma dieta variada e equilibrada. Manter fora do alcance das crianças. Armazenar longe de luz, calor e umidade. Como com qualquer suplemento nutricional, consulte um profissional de saúde antes de usar se estiver grávida, amamentando ou se você tiver um problema de saúde.
 
Descubra alguns testemunhos dos nossos clientes
Vitamin D3 5000 UI
Quantidade : 60 softgels 18.00 €
(20.50 US$)
juntar ao cestoadd_shopping_cart

Gratuito

Obrigado pela sua visita; antes de partir

INSCREVA-SE NO
Club SuperSmart
E beneficie
de vantagens exclusivas:
Continuar as minhas compras
keyboard_arrow_up