0
pt
US
WSM
217334753
O seu carrinho está vazio.
Menu
Bagas de arando ou cranberry

Arando em cápsulas – quais são os benefícios conhecidos do arando (cranberry)?

Também conhecido pelo nome de cranberry, o arando tem hoje em dia um lugar entre os suplementos alimentares. Descubra os benefícios para a saúde desta baga vermelha acidulada, adorada pelos Índios da América.

O arando na botânica

O arando (Vaccinium microcarpon) é uma planta vivaz da família das Ericáceas, de que fazem parte a airela ou o mirtilo. Originária da América do Norte, cresce no estado selvagem nos solos ácidos e húmidos das turfeiras. Atualmente, é cultivada em grande escala nos Estados Unidos (sobretudo nos Estados do Wisconsin e do Massachussetts) e no Canadá, onde a denominam “atoca” ou “ataca”. Em França, é mais conhecida pelo nome de “cranberry” e “grande arando vermelho da América do Norte” (1).

Não ultrapassando os 30 cm de altura, este arbusto rasteiro de folhas verdes perenes demarca-se das outras espécies do género Vaccinium pelas suas pequenas flores rosa e ovais totalmente abertas que eclodem na primavera.

No outono, as flores dão lugar a bagas vermelhas de 2 cm de diâmetro, de sabor acidulado e adstringente, que são consumidas mais frequentemente na forma de fruto seco, de sumo ou de geleia. Destes pequenos frutos são igualmente extraídos os extratos que servem para o fabrico de suplementos alimentares.

Quais são os benefícios do arando ou cranberry?

O arando tem um perfil nutricional notável. O fruto fresco fornece uma quantidade significativa de vitamina C antioxidante (100 g de cranberries cruas cobrem 12% dos aportes diários recomendados) e de manganésio, contendo poucos açúcares e poucas calorias (2). O fruto seco, mais energético, concentra principalmente fibras e vitamina E. O fruto combina, além disso, vários ácidos orgânicos (como o ácido cítrico, málico e fosfórico), pectina, taninos e glicósidos (3).

Na medicina tradicional, o arando era amplamente preferido pelos Índios da América para todas as afeções ligadas aos rins, ao sangue e ao sistema digestivo (4). Era igualmente aplicada nas feridas na forma de cataplasma ou em pó devido à sua dupla ação desinfetante e cicatrizante. A sua principal indicação dizia, contudo, respeito à prevenção e ao alívio das infeções urinárias (5-6).

Uma vez desembarcados na Terra Nova, os colonos europeus puderam, por sua vez, apreciar os seus inúmeros efeitos. Foi usada, nomeadamente, na época das “grandes descobertas” para combater o escorbuto durante as travessias do Atlântico. A sua utilização caiu depois em desuso após a Segunda Guerra Mundial, com o surgimento dos antibióticos sintéticos. Foi preciso esperar até ao início de 1960 para que esta pequena baga assuma um lugar de destaque no plano científico.

Durante muito tempo pensou-se que era ao tornar a urina mais acida que o arando exercia o seu poder na esfera urinária. Hoje em dia é avançada uma explicação completamente diferente. O arando é, de facto, o único fruto que contém proantocianidinas de tipo A, uma categoria específica de flavonoides que tornam o terreno “escorregadio” para as bactérias e complicam a implantação destas (7-8).

O arando intriga ativamente os investigadores que tentam consolidar esta hipótese. Atualmente, os resultados continuam a ser globalmente promissores. Um estudo comparou, por exemplo, a eficácia do sumo de arando e de um placebo na prevenção das recidivas de infeções urinárias numa coorte de meninas dos 3 aos 14 anos com propensão para elas (9).

Num ensaio aleatório, 137 mulheres idosas com infeções urinárias recorrentes tomaram em ocultação 500 mg de extrato de arando ou 100 mg de trimetoprima (um antibiótico) durante 6 meses. A antibioterapia demonstrou uma eficácia ligeiramente mais significativa na prevenção das recidivas (25 no grupo que tomou arando e 14 no grupo que tomou trimetoprima), mas com mais efeitos indesejados (10).

Face ao seu potencial “antiadesivo”, a comunidade científica imagina já outros campos de aplicação para o arando, nomeadamente no domínio da higiene bucal ou na luta contra a H. pylori (encontrada na maioria das úlceras gástricas) (11-12).

Cápsulas de arando (cranberry) inovadoras

Procura um suplemento de arando com resultados comprovados? O suplemento Cran-Max® aposta num extrato de arando sustentado por diversos ensaios clínicos, disponível na forma de cápsulas (13). É, por exemplo, normalizado a 7,2% de proantocianidinas de tipo A, o seu composto ativo mais reconhecido, para uma eficácia maximizada.

Apoia-se igualmente na tecnologia patenteada Bio Shield®. Esta visa fornecer os princípios ativos da cápsula de forma retardada. Dessa forma, são libertados apenas quando chegam ao trato intestinal inferior. Esta técnica de ponta garante uma absorção ideal e completa dos seus constituintes preciosos.

O CONSELHO SUPERSMART

Referências

  1. Neto CC, Vinson JA. Cranberry. In: Benzie IFF, Wachtel-Galor S, editors. Herbal Medicine: Biomolecular and Clinical Aspects. 2nd edition. Boca Raton (FL): CRC Press/Taylor & Francis; 2011. Chapter 6. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK92762/
  2. Nemzer BV, Al-Taher F, Yashin A, Revelsky I, Yashin Y. Cranberry: Chemical Composition, Antioxidant Activity and Impact on Human Health: Overview. 2022 Feb 23;27(5):1503. doi: 10.3390/molecules27051503. PMID: 35268605; PMCID: PMC8911768.
  3. Wang Y, Harrington PB, Chen P. Analysis of Phenolic Compositions in Cranberry Dietary Supplements using UHPLC-HRMS. J Food Compost Anal. 2020 Mar;86:103362. doi: 10.1016/j.jfca.2019.103362. Epub 2019 Nov 9. PMID: 32863574; PMCID: PMC7451253.
  4. Philip N, Walsh LJ. Cranberry Polyphenols: Natural Weapons against Dental Caries. Dent J (Basel). 2019 Mar 1;7(1):20. doi: 10.3390/dj7010020. PMID: 30823634; PMCID: PMC6473364.
  5. Fu Z, Liska D, Talan D, Chung M. Cranberry Reduces the Risk of Urinary Tract Infection Recurrence in Otherwise Healthy Women: A Systematic Review and Meta-Analysis. J Nutr. 2017 Dec;147(12):2282-2288. doi: 10.3945/jn.117.254961. Epub 2017 Oct 18. PMID: 29046404.
  6. Xia JY, Yang C, Xu DF, Xia H, Yang LG, Sun GJ. Consumption of cranberry as adjuvant therapy for urinary tract infections in susceptible populations: A systematic review and meta-analysis with trial sequential analysis. PLoS One. 2021 Sep 2;16(9):e0256992. doi: 10.1371/journal.pone.0256992. PMID: 34473789; PMCID: PMC8412316.
  7. Howell AB, Reed JD, Krueger CG, Winterbottom R, Cunningham DG, Leahy M. A-type cranberry proanthocyanidins and uropathogenic bacterial anti-adhesion activity. 2005 Sep;66(18):2281-91. doi: 10.1016/j.phytochem.2005.05.022. PMID: 16055161.
  8. Krueger CG, Reed JD, Feliciano RP, Howell AB. Quantifying and characterizing proanthocyanidins in cranberries in relation to urinary tract health. Anal Bioanal Chem. 2013 May;405(13):4385-95. doi: 10.1007/s00216-013-6750-3. Epub 2013 Feb 9. PMID: 23397091.
  9. Ferrara P, Romaniello L, Vitelli O, Gatto A, Serva M, Cataldi L. Cranberry juice for the prevention of recurrent urinary tract infections: a randomized controlled trial in children. Scand J Urol Nephrol. 2009;43(5):369-72. doi: 10.3109/00365590902936698. PMID: 19921981.
  10. McMurdo ME, Argo I, Phillips G, Daly F, Davey P. Cranberry or trimethoprim for the prevention of recurrent urinary tract infections? A randomized controlled trial in older women. J Antimicrob Chemother. 2009 Feb;63(2):389-95. doi: 10.1093/jac/dkn489. Epub 2008 Nov 28. PMID: 19042940; PMCID: PMC2639265.
  11. Bodet C, Grenier D, Chandad F, Ofek I, Steinberg D, Weiss EI. Potential oral health benefits of cranberry. Crit Rev Food Sci Nutr. 2008 Aug;48(7):672-80. doi: 10.1080/10408390701636211. PMID: 18663617.
  12. Zhang L, Ma J, Pan K, Go VL, Chen J, You WC. Efficacy of cranberry juice on Helicobacter pylori infection: a double-blind, randomized placebo-controlled trial. 2005 Apr;10(2):139-45. doi: 10.1111/j.1523-5378.2005.00301.x. PMID: 15810945.
  13. Bosmans JE, Beerepoot MA, Prins JM, ter Riet G, Geerlings SE. Cost-effectiveness of cranberries vs antibiotics to prevent urinary tract infections in premenopausal women: a randomized clinical trial. PLoS One. 2014 Apr 4;9(4):e91939. doi: 10.1371/journal.pone.0091939. PMID: 24705418; PMCID: PMC3976255.

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita