0
pt
US
WSM
216951110
O seu carrinho está vazio.
Menu
Alimentação futurista

Qual será a alimentação do futuro?

Quais são as pistas para alimentar a humanidade em 2050 e além dessa data? Descubra os alimentos do futuro.

Porquê encontrar alimentos novos?

De acordo com a maioria das estimativas, a população humana atingirá cerca de 10 mil milhões de indivíduos até 2050. De facto, a cada hora que passa, o planeta conta 10 000 bocas a mais para alimentar.

Ora, em simultâneo, as áreas agrícolas disponíveis para alimentar a humanidade diminuem drasticamente. Enquanto se contabilizavam 3000 m² de área agrícola por habitante no planeta em 1980, atualmente contam-se apenas 2400 m² e serão apenas 1600 m² até 2050 (1).

Além disso, a desregulação climática vai reforçar as limitações que pesam sobre a produção alimentar mundial: secas mais acentuadas, baixa dos rendimentos, fenómenos climáticos mais frequentes, etc. E isto sem contar com a diminuição dos recursos naturais (2).

Para fornecer a toda a humanidade quantidades suficientes de macronutrientes (proteínas, glúcidos e lípidos) e de micronutrientes (vitaminas, minerais, oligoelementos, etc.), de forma responsável e performante num mundo mais rude, são necessárias inovações para desenvolver a alimentação do futuro.

Os insetos – uma novel food muito promissora

Apesar de já serem consumidos atualmente por perto de 2 mil milhões de seres humanos no mundo, e de forma tradicional, principalmente nos países do Sul, os insetos como “novel food” para a alimentação humana esperaram muito até serem autorizados na Europa.

Ricos em proteínas, como precisam de pouco espaço e de pouco alimento e não consomem água de forma direta, os insetos constituem, de facto, um dos alimentos do futuro mais promissores para alimentar 10 mil milhões de seres humanos (3).

Todavia, de momento, apenas duas espécies de insetos são autorizadas pela EFSA para consumo humano na Europa; os gafanhotos da empresa holandesa Protix e a larva-da-farinha seca da Agronutris (à qual se acrescenta a larva-da-farinha congelada igualmente produzida pela Protix).

O que está em causa: as inúmeras análises necessárias para verificar o desempenho nutricional e a inocuidade dos insetos, nomeadamente relativamente a alergias possíveis (4).

A carne produzida in vitro; não é assim tão fácil

Embora o assunto do fabrico de carne sintética, in vitro, por startups, esteja no centro das atenções da crónica científica há alguns anos em virtude do caráter verdadeiramente futurista desta ideia, a carne in vitro surge cada vez menos como uma solução viável a médio prazo (5).

Na realidade, o custo energético e em tecnologias de ponta necessário para a produção de carne in vitro torna o processo não rentável para já. Por outro lado, no estado atual das tecnologias esta produção de carne sintética teria um impacto ambiental considerável, o que torna a solução caduca à luz dos desafios das décadas futuras (6).

A algas – alimentos do futuro que nos querem bem

Consumidas há milénios na Ásia, só recentemente as sociedades ocidentais descobriram os benefícios nutricionais e para a saúde que as algas têm. E isto, sem contar os trunfos no plano ambiental.

De facto, as algas captam já atualmente perto de 50% do CO2 presente na atmosfera. Potencialmente ricas em proteínas e/ou em lípidos (consoante as espécies) e fáceis de cultivar, as algas podem também ser transformadas em ingredientes para preparar receitas, substituindo os ovos, por exemplo (7).

As algas constituem, por isso, um excelente candidato para contribuir para alimentar a humanidade do futuro.

Os suplementos alimentares – auxiliares em breve imprescindíveis?

Hoje em dia é comummente aceite pelos especialistas que as imagens – desenvolvidas pelos autores de ficção científica – de uma humanidade do futuro que se alimenta de comprimidos é aberrante (precisamos de ingerir comida verdadeira); contudo, todos estão de acordo sobre o facto de que a toma de suplementos será provavelmente indispensável para suprir as nossas necessidades.

De facto, num planeta com áreas agrícolas reduzidas, o grande desafio será a intensificação da produção. Neste contexto, os suplementos alimentares constituem um recurso ideal para fornecer à humanidade micronutrientes que não estão necessariamente presentes nas fontes alimentares contempladas para suprir as nossas necessidades de macronutrientes.

Por isso, podemos desde já imaginar perfeitamente uma humanidade do futuro que consome diariamente um cocktail de suplementos que se assemelharia mais ou menos a isto:

  • vitamina D: a população ocidental moderna já tem um défice de vitamina D significativo devido à sua fraca exposição ao sol. Num futuro sem laticínios, sem peixe selvagem e em que a humanidade estaria confinada com mais frequência, a toma de suplementos de vitamina D seria provavelmente necessária (8). A vitamina D3 vegana seria preferida (é ela que encontramos já em Vegan D3, com elevada biodisponível, extraída de algas não OGM e totalmente isentas de pesticidas);
  • vitamina B12: se é verdade que os insetos e certas leveduras constituem excelentes fontes de vitamina B12, o mesmo não se passa com os cogumelos e as algas (cuja vitamina B12 não é biodisponível para o ser humano). Por essa razão, inúmeros humanos terão de tomar suplementos de vitamina B12 (do tipo Methylcobalamine) para cobrir as necessidades do seu organismo (9);
  • ómega 3 : tal como a vitamina D e a vitamina B12, os ómega 3 são fornecidos através do consumo de legumes e de peixe, que se tornarão cada vez mais raros nas próximas décadas. Será portanto preciso virarmo-nos provavelmente para suplementos de ómega 3 para cobrir as necessidades do organismo (10). Alguns suplementos de ómega 3, como Arctic Plankton Oil, deixam os peixes sossegados e preferem recorrer à espécie zooplantónica Calanus finmarchicus, a mais abundante das espécies animais do planeta;
  • cálcio: na verdade as urtigas, os espinafres e outros legumes são boas fontes de cálcio. Todavia, é preciso consumir um grande quantidade (em média 1 kg por dia) para suprir os aportes diários de cálcio recomendados. E isto quando a melhor fonte de cálcio continua a se o queijo. Num mundo sem laticínios, a toma de um suplemento de cálcio tornar-se-á, por conseguinte, imprescindível (11);
  • magnésio: embora os europeus tenham já carências de magnésio, um futuro no qual o nosso acesso a peixes gordos, a frutos do mar e a crustáceos seria limitado imporia a toma de suplementos de magnésio para conseguir os aportes diários compreendidos entre 200 mg/dia e 370 mg/dia (12). A forma de magnésio mais adequada seria provavelmente o orotato de magnésio (a forma altamente biodisponível que encontramos no suplemento Magnesium Orotate);
  • ferro: na Europa, atualmente, as carências de ferro verificam-se geralmente nos adolescentes e nas mulheres que consomem pouca carne. No futuro, os insetos, que fornecem tanto ferro como a carne da vazia, deveriam conseguir colmatar as necessidades da humanidade em ferro e evitar as anemias. Mas para as pessoas que não irão consumir insetos, será provavelmente necessário ponderar, como atualmente, a toma de suplementos de ferro (do tipo Iron Bisglycinate), por recomendação médica (13).

Os cogumelos e as leveduras

Ricos em fibras, em minerais, em vitaminas e, em certa medida, em proteínas (na ordem dos 3% no caso de inúmeros cogumelos, como os shiitake), fáceis de cultivar, exigindo pouco espaço, pouca água, pouca energia e explorando os resíduos orgânicos, os cogumelos são reconhecidos pelos peritos como um alimento que ganhará dimensão no futuro. E isto, além do facto de a sua riqueza em polissacáridos ter demonstrado benefícios para a imunidade (14-15).

Por outro lado, as leveduras e as bactérias já são exploradas atualmente para produzir, por fermentação, proteínas que podem ser consumidas pelo ser humano e com elevada biodisponibilidade. E isto, utilizando 10 vezes menos área agrícola do que a soja, por exemplo.

10 vezes mais calorias e proteínas, uma produção que se faz em poucas horas em vezes de demorar meses, uma produtividade de 1500 kilocalorias por metro quadrado (com a possibilidade de acumular nesta área a produção de eletricidade por energia solar); as leveduras e as bactérias constituem, sem sombra de dúvida, uma das pistas mais sérias para produzir a alimentação do futuro (16-17).

Referências

  1. WALLERSTEIN, David. Food-energy-water (FEW) nexus: Rearchitecting the planet to accommodate 10 billion humans by 2050.  Conserv. Recycl, 2020, vol. 155, p. 104658.
  2. HABERL, Helmut, ERB, Karl-Heinz, KRAUSMANN, Fridolin, et al.Global bioenergy potentials from agricultural land in 2050: Sensitivity to climate change, diets and yields. Biomass and bioenergy, 2011, vol. 35, no 12, p. 4753-4769.
  3. VAN HUIS, Arnold. Potential of insects as food and feed in assuring food security. Annual review of entomology, 2013, vol. 58, p. 563-583.
  4. https://www.efsa.europa.eu/fr/news/edible-insects-science-novel-food-evaluations
  5. BHAT, Zuhaib Fayaz, KUMAR, Sunil, et FAYAZ, Hina. In vitro meat production: Challenges and benefits over conventional meat production. Journal of Integrative Agriculture, 2015, vol. 14, no 2, p. 241-248.
  6. HOCQUETTE, Jean-François. Is in vitro meat the solution for the future?. Meat science, 2016, vol. 120, p. 167-176.
  7. CAPORGNO, Martín P. et MATHYS, Alexander. Trends in microalgae incorporation into innovative food products with potential health benefits. Frontiers in nutrition, 2018, vol. 5, p. 58.
  8. PRENTICE, Ann. Vitamin D deficiency: a global perspective. Nutrition reviews, 2008, vol. 66, no suppl_2, p. S153-S164.
  9. STABLER, Sally P. Vitamin B12 deficiency. New England Journal of Medicine, 2013, vol. 368, no 2, p. 149-160.
  10. SIMOPOULOS, A. P. Evolutionary aspects of omega-3 fatty acids in the food supply. Prostaglandins, Leukotrienes and essential fatty acids, 1999, vol. 60, no 5-6, p. 421-429.
  11. MILLER, Dennis D. Calcium in the diet: food sources, recommended intakes, and nutritional bioavailability. Advances in food and nutrition research, 1989, vol. 33, p. 103-156.
  12. MARIER, J. R. Magnesium content of the food supply in the modern-day world. Magnesium, 1986, vol. 5, no 1, p. 1-8.
  13. HURRELL, Richard F. Preventing iron deficiency through food fortification. Nutrition Reviews, 1997, vol. 55, no 6, p. 210-222.
  14. CHANG, S. T. Mushrooms as human food. Bioscience, 1980, vol. 30, no 6, p. 399-401.
  15. https://cordis.europa.eu/article/id/150431-dietary-fibres-to-boost-the-immune-system/fr
  16. JACH, Monika Elżbieta, SEREFKO, Anna, ZIAJA, Maria, et al.Yeast Protein as an Easily Accessible Food Source. Metabolites, 2022, vol. 12, no 1, p. 63.
  17. WALLS, Edward L. et GAINER, John L. Increased protein productivity from immobilized recombinant yeast. Biotechnology and bioengineering, 1991, vol. 37, no 11, p. 1029-1036.

Palavras-chave

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita