0
pt
US
WSM
232056727
O seu carrinho está vazio.
Menu

Como diminuir a retenção de líquidos ao nível do ventre?

A retenção de líquidos é um problema comum, que se manifesta por uma acumulação excessiva de líquido nos tecidos. Vejamos como diminuir a retenção de líquidos ao nível do ventre.

Retenção de líquidos ao nível do ventre

Edemas e retenção de água

Um edema, a que chamamos mais frequente retenção de líquidos, é um inchaço dos tecidos moles devido a um aumento do líquido intersticial.

Embora este líquido seja principalmente, e o mais frequente, composto por água, pode igualmente conter proteínas bem como outros líquidos ricos em células, nomeadamente em caso de obstrução linfática.

Retenção de líquidos ao nível do ventre – sintomas e causas

A retenção de líquidos ocorre maioritariamente na parte inferior do corpo. É um problema bem conhecido de muitas mulheres: as pernas pesadas, os pés e os tornozelos inchados, etc. (estes sintomas podem ser semelhantes aos da insuficiência venosa, mas esta última deve-se a mecanismos diferentes).

A retenção de água na região abdominal, por sua vez, é frequentemente caracterizada por um inchaço ou distensão abdominal, às vezes associado a um rápido ganho de peso, sensação de peso e uma pele esticada ou brilhante na área do abdômen.

As causas comuns dessa retenção são:

  • desequilíbrios hormonais, especialmente em mulheres durante seu ciclo menstrual, gravidez ou menopausa;
  • uma dieta rica em sódio;
  • consumo excessivo de álcool afetando o fígado;
  • distúrbios renais, cardíacos ou hepáticos;
  • ou certos medicamentos (corticosteroides, medicamentos para hipotensão, etc.)

Por favor, note que a ascite refere-se especificamente ao acúmulo de líquido na cavidade peritoneal. Está frequentemente ligada a problemas hepáticos graves.

Em caso de inchaço abdominal persistente ou outros sintomas preocupantes, é crucial consultar um médico para um diagnóstico preciso e tratamento adequado (1-3).

Métodos para diminuir a retenção de líquidos ao nível do ventre

Dieta alimentar e retenção de líquidos

As pessoas que fazem retenção de líquidos por razões de retenção de sódio podem ter vantagens em praticar uma dieta sem sal ou com pouco sal. Pontualmente, os médicos podem prescrever uma dieta com sal de potássio em substituição do sódio (4).

Obviamente, em caso de retenção de líquidos abdominal, convém igualmente deixar de consumir álcool para permitir que o fígado se regenere.

Além disso, tradicionalmente, alguns alimentos e bebidas, como o aipo (5), o pepino e o chá verde, são conhecidos pelas suas propriedades diuréticas e podem propiciar a eliminação do excesso de líquido.

Atividade física e retenção de líquidos

O exercício regular estimula a circulação sanguínea e o sistema linfático, contribuindo assim para diminuir a retenção de líquidos. As atividades como a caminhada, a natação ou o ioga podem ser benéficas.

A sedentariedade provoca uma fragilidade do sistema cardiovascular e propicia o excesso de peso, o que provoca um círculo vicioso. Uma atividade física, mesmo de pouca intensidade, de 30 minutos por dia, pode ser suficiente para mitigar rapidamente a retenção de líquidos.

Gestão do stress

O stress crónico pode influenciar os níveis hormonais e propiciar a retenção de líquidos. Técnicas de gestão do stress, como a meditação ou o ioga, podem ajudar a reduzir os sintomas da retenção de líquidos.

Tratamentos médicos

Em alguns casos, quando a retenção de líquidos é grave ou está associada a uma condição médica subjacente, podem ser receitados medicamentos diuréticos. É importante consultar um profissional de saúde antes de tomar medicamentos para a retenção de líquidos, pois estes podem ter efeitos secundários.

Remédios naturais e remédios das avós

É possível utilizar determinados métodos naturais para diminuir a retenção de líquidos ao nível do ventre. Entre os remédios das avós populares, encontramos o consumo de sumo de arando (6), a infusão de folhas de dente-de-leão ou de alcachofra e a utilização de compressas de água fria na região abdominal.

Cominho, ulmária, figo-da-índia, uvas, funcho, dente-de-leão, etc.: as farmacopeias tradicionais de todo o mundo contêm inúmeras plantas medicinais hoje em dia amplamente exploradas pelos naturopatas e reconhecidas pela medicina convencional.

Assim, a troxerutina, um flavonoide extraído da Sophora do Japão, é um venotónico e vasculoprotetor reconhecido utilizado na preparação de vários medicamentos prescritos para as insuficiências veno-linfáticas (7).

Vários ensaios clínicos sugerem que a betalaína, um pigmento do figo-da-índia, aumenta a diurese (a quantidade de urina eliminada num determinado período de tempo) e reduz os problemas de retenção de líquidos nos membros inferiores (8).

O cominho, o dente-de-leão, a ulmária, etc. são reconhecidos há muitos anos como diuréticos naturais, propiciando assim a redução dos edemas. Inúmeros compostos citados integram fórmulas sinérgicas por medida (como Water Retention Formula).

Retenção de líquidos nos homens

Apesar de a retenção de líquidos ser frequentemente associada às mulheres, os homens também podem sofrer dela. Os desequilíbrios hormonais, como os associados à testosterona ou à tiroide, podem contribuir para a retenção de líquidos nos homens. Podem ser aplicados os mesmos métodos de diminuição da retenção de líquidos, como a adoção de um estilo de vida saudável e a gestão do stress.

A retenção de líquidos – ao nível do ventre ou de qualquer outra parte do corpo – é portanto, muito frequentemente, indício de uma patologia subjacente. Por isso, se o problema persistir depois de ter experimentado métodos naturais ou suplementos alimentares direcionados para o assunto, recomenda-se consultar um profissional de saúde para obter um diagnóstico.

O CONSELHO SUPERSMART

Referências

  1. EDWARDS, Sharon. The formation of oedema. Part 1: Pathophysiology, causes and types. Professional Nurse (London, England), 2003, vol. 19, no 1, p. 29-31.
  2. REYNOLDS, Telfer B. Ascites. Clinics in liver disease, 2000, vol. 4, no 1, p. 151-168.
  3. GINÈS, Pere, CÁRDENAS, Andrés, ARROYO, Vicente, et al.Management of cirrhosis and ascites. New England Journal of Medicine, 2004, vol. 350, no 16, p. 1646-1654.
  4. MOORE, Kevin P., WONG, Florence, GINES, Pere, et al.The management of ascites in cirrhosis: report on the consensus conference of the International Ascites Club. Hepatology, 2003, vol. 38, no 1, p. 258-266.
  5. LEWIS, David A., THARIB, Saleh M., et VEITCH, G. Bryan A. The anti-inflammatory activity of celery Apium graveolens L.(Fam. Umbelliferae). International Journal of Crude Drug Research, 1985, vol. 23, no 1, p. 27-32.
  6. SUJANA, K., SAI TEJASWINI, K., et SRILAKSHMI, S. Cranberry fruit: An update review. International Journal of Herbal Medicine, 2016, vol. 4, no 3, p. 5-8.
  7. SCHULLER‐PETROVIC, Sanja, WOLZT, Michael, BÖHLER, Kornelia, et al.Studies on the effect of short‐term oral dihydroergotamine and troxerutin in patients with varicose veins. Clinical Pharmacology & Therapeutics, 1994, vol. 56, no 4, p. 452-459.
  8. CHEOK, Alex, GEORGE, Trevor W., RODRIGUEZ-MATEOS, Ana, et al.The effects of betalain-rich cacti (dragon fruit and cactus pear) on endothelial and vascular function: A systematic review of animal and human studies. Food & function, 2020, vol. 11, no 8, p. 6807-6817.

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita