0
pt
US
WSM
217334571
O seu carrinho está vazio.
Menu
Melhores óleos essenciais para a saúde

Quais são os 7 melhores óleos essenciais?

No grupo das medicinas naturais, a aromaterapia vai decididamente de vento em popa. Eis a lista dos 7 óleos essenciais mais benéficos para a saúde.

Lembremos – o que é um óleo essencial?

Um óleo essencial é um extrato vegetal proveniente de qualquer parte de uma planta aromática. Ou seja, pode ser extraído de flores, de frutos, de folhas, de sementes, de raízes ou de cascas.

Existem dois métodos principais para extrair um óleo essencial:

  • a destilação por vapor de água: neste caso, o vapor de água liga-se aos princípios aromáticos dos vegetais para os veicular até um circuito de arrefecimento a fim de os levar ao estado líquido (condensação). O extrator recolhe uma fase aquosa (o hidrolato) e uma fase oleosa (o óleo essencial);
  • a expressão a frio: este tratamento é reservado às cascas de citrinos. Estas são trituradas mecanicamente para romper as respetivas bolsas de essência e libertar as suas substâncias aromáticas.

Explorando diferentes vias de aplicação (cutânea, olfativa, oral, retal ou vaginal), os óleos essenciais empregam-se tanto isolados como combinados em sinergia. Utilizados criteriosamente, podem acompanhar e apoiar o organismo tanto no plano físico como moral (1-2).

Condensando toda a quintessência da planta, o óleo essencial continua a ser uma arma natural que deve ser usada com precaução, nomeadamente nas pessoas frágeis (crianças, grávidas ou mulheres a amamentar, epiléticos…) (3). À mínima dúvida, aconselhe-se com o seu médico ou farmacêutico. Vamos agora descobrir os 7 melhores óleos essenciais que deve ter no seu estojo de farmácia.

A ravintsara, a boa folha do inverno

O óleo essencial de ravintsara – que significa literalmente “boa folha” em madagascarense – resulta da destilação das folhas de canforeiro de Madagáscar (Cinnamomum camphora).

Por influência do clima africano, esta árvore próxima do loureiro tem um cartão de identidade químico particular (fala-se de fenótipo) que a distingue dos restantes canforeiros. Evidencia, assim uma riqueza em 1,8-cineol (cerca de 65% da sua composição) e uma ausência de cânfora, uma molécula reputada pelos seus efeitos neurotóxicos.

Muito suave, o seu óleo possui uma grande afinidade com a esfera respiratória pelas suas propriedades desobstrutoras. Atua igualmente de forma mais sistémica apoiando os nossos mecanismos de defesa (4). Uma aliada de eleição no período de inverno!

O orégão, o todo-poderoso da aromaterapia

Se as suas folhas realçam maravilhosamente o sabor dos tomates, os rebentos floridos do orégão produzem um óleo essencial extremamente potente. Ou, mais concretamente, três, que variam consoante as espécies destiladas: o orégão compacto (Origanum compactum L.), o tomilho (Thymus capitatus L.) e o orégão vulgar (Origanum vulgare L. var. hirtcum).

Apesar de algumas diferenças subtis, todos encerram uma quantidade significativa de carvacrol, um fenol muito ativo no plano infecioso, parasitário e fúngico (5). Tonificantes, proporcionam um vigoroso efeito de impulso em caso de fadiga intensa. Contribuem também para apoiar a função gastrointestinal (6).

Esta força hercúlea tem, contudo, as suas desvantagens: cáustico para a pele e hepatotóxico a longo prazo, o óleo essencial de orégão utiliza-se exclusivamente em adultos por curtos períodos e diluído em óleo vegetal. Encontramo-lo igualmente na forma oral para mais eficácia (por exemplo, as cápsulas de Oil of Oregano, normalizadas a 40% de carvacrol).

A hortelã-pimenta, um óleo essencial refrescante

Analgésico e anestesiante, o óleo essencial de hortelã-pimenta (Mentha x piperita) atua como uma bomba de frio; o seu sabor a mentol e mentona ajuda a mitigar a sensação de dor (7). Puro, apenas se usa sobre uma superfície muito pequena; dilua-o sistematicamente numa base oleosa para cobrir zonas maiores.

Inalado ou aplicado localmente ao nível das têmporas, é também muito apreciado em caso de dores de cabeça (8).

Alguns suplementos alimentares orais associam-no a outros óleos essenciais para revelar em pleno o seu potencial dinamizante. Associada à canela da China, rica em aldeídos aromáticos, e à raspa de limão, fonte de monoterpenos, oferece desse modo uma ação sinérgica completa (é o cocktail proposto pela fórmula Organic Defense Mix, que contém igualmente orégão vulgar) (9-10).

O tea tree, um modulador em frasco

Foi ao atracar na costa australiana que o navegador James Cook ficou a conhecer a árvore do chá ou tea tree (Melaleuca alternifolia). Seduzido primeiro pela frescura das suas folhas na forma de infusão, descobre junto das populações locais que essas mesmas folhas são excelentes em cataplasma para prevenir o agravamento da infeção das feridas. Foi, todavia, necessário aguardar pelos trabalhos do químico Arthur de Raman em 1922 para atestar cientificamente os poderes da planta.

Em aromaterapia, o óleo essencial de tea tree comporta-se como um modificador de terreno de largo espectro de ação, limitando a aderência de hóspedes indesejados ao nível dos tecidos epiteliais (11). No domínio da cosmética, é muito apreciado pelas peles problemáticas pelas suas propriedades purificantes (12).

O eucalipto – uma lufada de ar destilado

Também originário do país dos cangurus, o eucalipto tem várias variedades. Por conseguinte, está na origem de três óleos essenciais diferentes:

  • o eucalipto radiata (Eucalyptus radiata); muito apreciado pelas suas propriedades descongestionantes graças ao seu teor de 1,8-cineol e alfa-terpineol, exerce mais especificamente a sua ação nas vias respiratórias superiores;
  • o eucalipto globulus (Eucalyptus globulus); encerrando principalmente globulol, o seu domínio de predileção foca-se nas vias respiratórias inferiores (13);
  • o eucalipto citriodora (Eucalyptus citriodora); diferente dos dois anteriores, consagra-se principalmente aos domínios articular e muscular, dispondo de virtudes relaxantes pela respetiva concentração em citronelal (14).

A lavanda, a mais bela flor dos óleos essenciais para relaxamento

Crescendo a mais de 1000 m de altitude, a lavanda ou alfazema (Lavandula angustifolia) corresponde à lavanda “fêmea”. Os seus rebentos floridos dão origem a um óleo essencial amplamente plesbicitado pelos aromaterapeutas pela sua qualidade olfativa e pela sua facilidade e suavidade de utilização.

Com uma concentração elevada de linalol e de acetato de linalila, este arbusto da provençal contribui para o relaxamento e a melhoria da qualidade do sono (15-16). O seu óleo pode ser combinado com outros óleos essenciais calmantes (o suplemento oral Organic Relaxing Oil Blend aposta, por isso, num trio de óleos essenciais biológicos zen, que inclui a lavanda, a raspa de tangerina e o cominho).

A erva-caril, para tratar o blues do corpo e da mente

Extraído das flores das perpétuas-das-areias, que devem o seu nome à sua longevidade excecional, o óleo essencial de erva-caril (Helichrysum italicum) é indicado para todas as pequenas mazelas do quotidiano (nódoas negras, hematomas…) facilitando a sua reabsorção, bem como para as cicatrizes antigas, sujo aspeto melhora (17). Uma propriedade que se verifica também no plano emocional, pela propensão que tem de atenuar os choques psicoafetivos.

Embora o seu interesse seja incontestável, salientamos que a erva-caril contém uma quantidade significativa de italidionas, um tipo de cetona que provoca neurotoxicidade por acumulação. Por conseguinte, recomenda-se utilizar este óleo essencial por períodos muito curtos (ou respeitar janelas terapêuticas suficientes em caso de uso prolongado).

Referências

  1. Ramsey JT, Shropshire BC, Nagy TR, Chambers KD, Li Y, Korach KS. Essential Oils and Health. Yale J Biol Med. 2020 Jun 29;93(2):291-305. PMID: 32607090; PMCID: PMC7309671.
  2. Kuriyama, Hiroko et al. “Immunological and Psychological Benefits of Aromatherapy Massage.” Evidence-based complementary and alternative medicine : eCAM 2,2 (2005): 179-184. doi:10.1093/ecam/neh087
  3. Farrar AJ, Farrar FC. Clinical Aromatherapy. Nurs Clin North Am. 2020;55(4):489-504. doi:10.1016/j.cnur.2020.06.015
  4. Wang W, Li D, Huang X, et al. Study on Antibacterial and Quorum-Sensing Inhibition Activities of Cinnamomum camphora Leaf Essential Oil. Molecules. 2019;24(20):3792. Published 2019 Oct 21. doi:10.3390/molecules24203792
  5. Leyva-López N, Gutiérrez-Grijalva EP, Vazquez-Olivo G, Heredia JB. Essential Oils of Oregano: Biological Activity beyond Their Antimicrobial Properties. Molecules. 2017;22(6):989. Published 2017 Jun 14. doi:10.3390/molecules22060989
  6. Zou Y, Xiang Q, Wang J, Peng J, Wei H. Oregano Essential Oil Improves Intestinal Morphology and Expression of Tight Junction Proteins Associated with Modulation of Selected Intestinal Bacteria and Immune Status in a Pig Model. Biomed Res Int. 2016;2016:5436738. doi:10.1155/2016/5436738
  7. Chumpitazi, B P et al. “Review article: the physiological effects and safety of peppermint oil and its efficacy in irritable bowel syndrome and other functional disorders.” Alimentary pharmacology & therapeutics 47,6 (2018): 738-752. doi:10.1111/apt.14519
  8. Göbel H, Heinze A, Heinze-Kuhn K, Göbel A, Göbel C. Oleum menthae piperitae (Pfefferminzöl) in der Akuttherapie des Kopfschmerzes vom Spannungstyp [Peppermint oil in the acute treatment of tension-type headache]. Schmerz. 2016 Jun;30(3):295-310. German. doi: 10.1007/s00482-016-0109-6. PMID: 27106030.
  9. Ooi LS, Li Y, Kam SL, Wang H, Wong EY, Ooi VE. Antimicrobial activities of cinnamon oil and cinnamaldehyde from the Chinese medicinal herb Cinnamomum cassia Blume. Am J Chin Med. 2006;34(3):511-22. doi: 10.1142/S0192415X06004041. PMID: 16710900.
  10. Ben Hsouna A, Ben Halima N, Smaoui S, Hamdi N. Citrus lemon essential oil: chemical composition, antioxidant and antimicrobial activities with its preservative effect against Listeria monocytogenes inoculated in minced beef meat. Lipids Health Dis. 2017;16(1):146. Published 2017 Aug 3. doi:10.1186/s12944-017-0487-5
  11. Carson CF, Hammer KA, Riley TV. Melaleuca alternifolia (Tea Tree) oil: a review of antimicrobial and other medicinal properties. Clin Microbiol Rev. 2006;19(1):50-62. doi:10.1128/CMR.19.1.50-62.2006
  12. Pazyar N, Yaghoobi R, Bagherani N, Kazerouni A. A review of applications of tea tree oil in dermatology. Int J Dermatol. 2013 Jul;52(7):784-90. doi: 10.1111/j.1365-4632.2012.05654.x. Epub 2012 Sep 24. PMID: 22998411.
  13. Yadav N, Chandra H. Suppression of inflammatory and infection responses in lung macrophages by eucalyptus oil and its constituent 1,8-cineole: Role of pattern recognition receptors TREM-1 and NLRP3, the MAP kinase regulator MKP-1, and NFκ PLoS One. 2017;12(11):e0188232. Published 2017 Nov 15. doi:10.1371/journal.pone.0188232
  14. Silva J, Abebe W, Sousa SM, Duarte VG, Machado MI, Matos FJ. Analgesic and anti-inflammatory effects of essential oils of Eucalyptus. J Ethnopharmacol. 2003 Dec;89(2-3):277-83. doi: 10.1016/j.jep.2003.09.007. PMID: 14611892.
  15. Malcolm BJ, Tallian K. Essential oil of lavender in anxiety disorders: Ready for prime time?. Ment Health Clin. 2018;7(4):147-155. Published 2018 Mar 26. doi:10.9740/mhc.2017.07.147
  16. Velasco-Rodríguez R, Pérez-Hernández MG, Maturano-Melgoza JA, Hilerio-López ÁG, Monroy-Rojas A, Arana-Gómez B, Vásquez C. The effect of aromatherapy with lavender (Lavandula angustifolia) on serum melatonin levels. Complement Ther Med. 2019 Dec;47:102208. doi: 10.1016/j.ctim.2019.102208. Epub 2019 Oct 5. PMID: 31780012.
  17. Andjić M, Božin B, Draginić N, et al. Formulation and Evaluation of Helichrysum italicum Essential Oil-Based Topical Formulations for Wound Healing in Diabetic Rats. Pharmaceuticals (Basel). 2021;14(8):813. Published 2021 Aug 19. doi:10.3390/ph14080813

Palavras-chave

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita