0
pt
US
WSM
233665137
O seu carrinho está vazio.
Menu

Stress oxidativo – sintomas, causas e tratamento

O stress oxidativo inflige sorrateiramente danos significativos nas nossas células. Descubra como resistir melhor ao assalto dos radicais livres responsáveis pelo envelhecimento.

Stress oxidativo causado pelos radicais livres

Stress oxidativo – causas

Stress oxidativo e ROS

Durante as reações metabólicas, o nosso organismo é levado a sintetizar espécies reativas de oxigénio (ERO), ou ROS em inglês (1). Estas moléculas são mais conhecidas pelo nome de radicais livres. Entre eles, entre outros, o radical superóxido O2 e o radical hidroxilo HO•.

Dotados de um ou de vários eletrões “celibatários” nas respetivas camadas externas, apresentam uma grande instabilidade; estes procuram fazer par com outros compostos que acabam, por sua vez, desestabilizados. No entanto, a formação de ROS não é, em si, patológica. Acontece em todas as espécies que evoluem em ambiente aeróbio e intervém até por vezes de forma útil na sinalização celular (2).

Por outro lado, dispomos de um sólido arsenal defensivo para os neutralizar. Em primeira linha, temos os antioxidantes endógenos (os que fabricamos), formados por enzimas antioxidantes, por cofatores e por proteínas (3). Depois vêm as vitaminas fornecidas pelos alimentos, seguidas dos mecanismos de reparação do ADN. Por esta via, mantemos o nosso equilíbrio redox estável.

O stress oxidativo, ou stress oxidante, assinala um desequilíbrio entre a produção de radicais livres e a respetiva desintoxicação por meio dos antioxidantes (4). Os nossos mecanismos de defesa, saturados, deixam de conseguir combater eficazmente a oxidação. É nessa altura que a nossa integridade celular é afetada, com danos possíveis em todos os constituintes do ser vivo.

Origem do stress oxidativo

O fenómeno de stress oxidante é amplamente precipitado por vários fatores exógenos: uma alimentação desequilibrada pobre em frutas e legumes, o tabaco, o álcool, os medicamentos, os pesticidas, a poluição atmosférica, a exposição solar prolongada, as radiações, mas também algumas infeções patogénicas (5).

Stress psicológico e stress oxidativo – estão relacionados?

O stress oxidativo deve ser diferenciado do stress psicológico. O primeiro produz-se à escala celular, ao passo que o segundo se verifica à escala sistémica. Todavia, poderá existir uma interação entre os dois fenómenos; um estudo realizado com indivíduos depressivos sugere que o stress crónico contribui para o desenvolvimento do stress oxidante em algumas partes do cérebro (6).

Stress oxidativo – sintomas

O stress oxidativo é considerado uma das principais causas do envelhecimento. No plano clínico, adivinha-se aquando do desenvolvimento de diversas patologias metabólicas (diabetes, aterosclerose…), respiratórias, digestivas, neurodegenerativas ou articulares (7).

Alguns laboratórios sugerem análises de stress oxidativo para dosear biomarcadores que refletem a carga oxidativa do organismo e o estado do sistema de defesa antioxidante. Esta análise realiza-se no sangue e/ou na urina. Os resultados devem, contudo, ser interpretados com precaução.

Stress oxidativo – consequências

Stress oxidativo e inflamação

Quando são em excesso, os radicais livres são vistos como agressores pelo nosso sistema imunitário. Por conseguinte, este vai ativar uma resposta inflamatória para tentar erradicá-los (8).

Se não conseguir fazê-lo, instala-se uma inflamação crónica (ou de baixa intensidade) durante algumas semanas ou até vários anos. Hoje em dia sabe-se que este estado inflamatório prolongado é terreno fértil para o surgimento das doenças autoimunes, das doenças cardiovasculares e também das doenças inflamatórias crónicas do intestino (MICI) (9-10).

Stress oxidativo e proliferação anárquica

Parece existir igualmente uma ligação ténue entre stress oxidativo e proliferação de células desviantes. De facto, o stress oxidativo seria suscetível de ativar diversos fatores de transcrição (NF-κB, AP-1, p53, HIF-1α, PPAR-γ, β-catenina/Wnt e Nrf2) conduzindo à expressão aberrante de determinados genes, nomeadamente os que regulam os fatores de crescimento, as citocinas inflamatórias e as moléculas reguladoras do ciclo celular (11).

Stress oxidativo e memória

Inúmeros estudos apontam o dedo ao papel desempenhado pelo stress oxidativo no declínio cognitivo ligado à idade. Em modelos animais idosos, a alteração da memória temporal e espacial, da aprendizagem e da retenção de informações parece estar correlacionada com um aumento das espécies oxidativas (12). Trabalhos de investigação sugerem igualmente que os radicais livres perturbam o metabolismo das mitocôndrias e contribuem para a degenerescência neuronal (13).

Stress oxidativo e olhos

Como são frágeis, os nossos olhos são particularmente vulneráveis às agressões causadas pelos radicais livres. O cristalino (envolvido na filtração e na orientação da luz) e a retina (encarregada de converter a luz em sinais nervosos) figuram entre os mais afetados. O stress oxidativo propiciaria, de facto, o surgimento de doenças oculares como as cataratas ou a DMLA (degenerescência macular ligada à idade) (14-15).

Stress oxidativo e pele

O stress oxidativo ataca também as células cutâneas. Acelera a degradação das proteínas e dos lípidos, bem como a destruição do colagénio e da elastina, que conferem flexibilidade e tonicidade à derme. Por conseguinte, propicia o envelhecimento da pele (nomeadamente por fototoxicidade) e o surgimento prematuro das rugas (16).

Stress oxidativo e cabelos

Ao fragilizar o bolbo piloso, os radicais livres aceleram a queda capilar e desempenham um papel no embranquecer dos cabelos (17).

Stress oxidativo – tratamento e suplementos alimentares

Medidas preventivas “de bom senso”, como um modo de vida saudável, afastando ao máximo os principais fatores de risco citados atrás, contribuem para minimizar o stress oxidativo.

Uma alimentação variada, idealmente bio, parece dar uma melhor proteção contra os radicais livres. Alguns alimentos dispõem mais especificamente de um forte poder antioxidante: as frutas e legumes frescos coloridos (ricos em carotenoides e polifenóis), as especiarias, as oleaginosas ou as ervas aromáticas (18).

Confie no respetivo índice ORAC; quanto mais elevado for, maior é o potencial antioxidante (19). A título de exemplo, por 100 g, o chá verde tem um valor de 1250, a noz de 13 541 e o cravo-da-índia… de 290 283!

Alguns destes super ingredientes combinam-se, aliás, em suplementos sinérgicos (o super potente Antioxidant Synergy agrupa – entre outros – chá verde, grainhas de uva, curcuma, bem como o composto patenteado Vitaberry® rico em polifenóis e antocianinas) (20).

A vitamina C e a vitamina E contribuem para a proteção das células contra o stress oxidativo (21-22). Encontramo-las nos citrinos, nos pimentos e no kiwi, bem como nas amêndoas e nos óleos vegetais. A vitamina E figura, nomeadamente, no suplemento Astaxanthin, um excelente pigmento vermelho-rosa da família dos carotenoides, amplamente estudado pela investigação anti-idade.

Entre os oligoelementos a privilegiar, citemos o zinco e o selénio, principais cofatores das enzimas que catalisam as reações de oxidorredução (23).

Presente em praticamente todas as células do ser vivo, o glutatião figura entre os nossos defensores endógenos mais potentes (24). Como o respetivo teor sanguíneo baixa a partir dos 50 anos de idade, pode ser interessante otimizar os seus aportes através da toma de suplementos (como Reduced Glutathione, glutatião no estado reduzido para usufruir da única forma biologicamente ativa, ou ainda Perlingual glutathione na forma de comprimidos de chupar, para uma administração rápida) (25).

Constatou-se que os órgãos mais sujeitos ao stress oxidativo (como o fígado, o coração, os rins, a pele ou os glóbulos vermelhos) concentram um forte teor de L-ergotioneína, um aminoácido agora isolado dos cogumelos para o fabrico de suplementos de última geração (o suplemento L-Ergothioneine dispõe assim de uma semi-vida de 30 dias, contra apenas 30 segundos a 30 minutos no caso dos antioxidantes convencionais) (26).

Com o nome de código BHT, o hidroxitolueno butilado é apreciado no setor agroalimentar por impedir a oxidação e o rançar das gorduras. Os cientistas interessam-se hoje em dia vivamente pelas aplicações na saúde humana deste composto aromático lipossolúvel (realçado em BHT com uma dosagem ideal de 300 mg por cápsula).

O CONSELHO SUPERSMART

Referências

  1. Beckhauser TF, Francis-Oliveira J, De Pasquale R. Reactive Oxygen Species: Physiological and Physiopathological Effects on Synaptic Plasticity. J Exp Neurosci. 2016 Sep 4;10(Suppl 1):23-48. doi: 10.4137/JEN.S39887. PMID: 27625575; PMCID: PMC5012454.
  2. Schieber M, Chandel NS. ROS function in redox signaling and oxidative stress. Curr Biol. 2014 May 19;24(10):R453-62. doi: 10.1016/j.cub.2014.03.034. PMID: 24845678; PMCID: PMC4055301.
  3. Rizzo AM, Berselli P, Zava S, Montorfano G, Negroni M, Corsetto P, Berra B. Endogenous antioxidants and radical scavengers. Adv Exp Med Biol. 2010;698:52-67. doi: 10.1007/978-1-4419-7347-4_5. PMID: 21520703.
  4. Sies H. Oxidative Stress: Concept and Some Practical Aspects. Antioxidants (Basel). 2020 Sep 10;9(9):852. doi: 10.3390/antiox9090852. PMID: 32927924; PMCID: PMC7555448.
  5. Bhattacharyya A, Chattopadhyay R, Mitra S, Crowe SE. Oxidative stress: an essential factor in the pathogenesis of gastrointestinal mucosal diseases. Physiol Rev. 2014 Apr;94(2):329-54. doi: 10.1152/physrev.00040.2012. PMID: 24692350; PMCID: PMC4044300.
  6. Juszczyk G, Mikulska J, Kasperek K, Pietrzak D, Mrozek W, Herbet M. Chronic Stress and Oxidative Stress as Common Factors of the Pathogenesis of Depression and Alzheimer's Disease: The Role of Antioxidants in Prevention and Treatment. Antioxidants (Basel). 2021 Sep 9;10(9):1439. doi: 10.3390/antiox10091439. PMID: 34573069; PMCID: PMC8470444.
  7. Birben E, Sahiner UM, Sackesen C, Erzurum S, Kalayci O. Oxidative stress and antioxidant defense. World Allergy Organ J. 2012 Jan;5(1):9-19. doi: 10.1097/WOX.0b013e3182439613. Epub 2012 Jan 13. PMID: 23268465; PMCID: PMC3488923.
  8. Hussain T, Tan B, Yin Y, Blachier F, Tossou MC, Rahu N. Oxidative Stress and Inflammation: What Polyphenols Can Do for Us? Oxid Med Cell Longev. 2016;2016:7432797. doi: 10.1155/2016/7432797. Epub 2016 Sep 22. PMID: 27738491; PMCID: PMC5055983.
  9. Kattoor AJ, Pothineni NVK, Palagiri D, Mehta JL. Oxidative Stress in Atherosclerosis. Curr Atheroscler Rep. 2017 Sep 18;19(11):42. doi: 10.1007/s11883-017-0678-6. PMID: 28921056.
  10. Alemany-Cosme E, Sáez-González E, Moret I, Mateos B, Iborra M, Nos P, Sandoval J, Beltrán B. Oxidative Stress in the Pathogenesis of Crohn's Disease and the Interconnection with Immunological Response, Microbiota, External Environmental Factors, and Epigenetics. Antioxidants (Basel). 2021 Jan 7;10(1):64. doi: 10.3390/antiox10010064. PMID: 33430227; PMCID: PMC7825667.
  11. Reuter S, Gupta SC, Chaturvedi MM, Aggarwal BB. Oxidative stress, inflammation, and cancer: how are they linked? Free Radic Biol Med. 2010 Dec 1;49(11):1603-16. doi: 10.1016/j.freeradbiomed.2010.09.006. Epub 2010 Sep 16. PMID: 20840865; PMCID: PMC2990475.
  12. Kandlur A, Satyamoorthy K, Gangadharan G. Oxidative Stress in Cognitive and Epigenetic Aging: A Retrospective Glance. Front Mol Neurosci. 2020 Mar 18;13:41. doi: 10.3389/fnmol.2020.00041. PMID: 32256315; PMCID: PMC7093495.
  13. Reddy PH. Mitochondrial oxidative damage in aging and Alzheimer's disease: implications for mitochondrially targeted antioxidant therapeutics. J Biomed Biotechnol. 2006;2006(3):31372. doi: 10.1155/JBB/2006/31372. PMID: 17047303; PMCID: PMC1559913.
  14. Kaur J, Kukreja S, Kaur A, Malhotra N, Kaur R. The oxidative stress in cataract patients. J Clin Diagn Res. 2012 Dec;6(10):1629-32. doi: 10.7860/JCDR/2012/4856.2626. Epub 2012 Oct 14. PMID: 23373015; PMCID: PMC3552191.
  15. Jarrett SG, Boulton ME. Consequences of oxidative stress in age-related macular degeneration. Mol Aspects Med. 2012 Aug;33(4):399-417. doi: 10.1016/j.mam.2012.03.009. Epub 2012 Apr 9. PMID: 22510306; PMCID: PMC3392472.
  16. Chen J, Liu Y, Zhao Z, Qiu J. Oxidative stress in the skin: Impact and related protection. Int J Cosmet Sci. 2021 Oct;43(5):495-509. doi: 10.1111/ics.12728. Epub 2021 Aug 28. PMID: 34312881.
  17. Trüeb RM. Oxidative stress in ageing of hair. Int J Trichology. 2009 Jan;1(1):6-14. doi: 10.4103/0974-7753.51923. PMID: 20805969; PMCID: PMC2929555.
  18. Carlsen MH, Halvorsen BL, Holte K, Bøhn SK, Dragland S, Sampson L, Willey C, Senoo H, Umezono Y, Sanada C, Barikmo I, Berhe N, Willett WC, Phillips KM, Jacobs DR Jr, Blomhoff R. The total antioxidant content of more than 3100 foods, beverages, spices, herbs and supplements used worldwide. Nutr J. 2010 Jan 22;9:3. doi: 10.1186/1475-2891-9-3. PMID: 20096093; PMCID: PMC2841576.
  19. Sueishi Y, Ishikawa M, Yoshioka D, Endoh N, Oowada S, Shimmei M, Fujii H, Kotake Y. Oxygen radical absorbance capacity (ORAC) of cyclodextrin-solubilized flavonoids, resveratrol and astaxanthin as measured with the ORAC-EPR method. J Clin Biochem Nutr. 2012 Mar;50(2):127-32. doi: 10.3164/jcbn.11-21. Epub 2011 Nov 18. PMID: 22448093; PMCID: PMC3299942.
  20. Neetha MC, Panchaksharappa MG, Pattabhiramasastry S, Shivaprasad NV, Venkatesh UG. Chemopreventive Synergism between Green Tea Extract and Curcumin in Patients with Potentially Malignant Oral Disorders: A Double-blind, Randomized Preliminary Study. J Contemp Dent Pract. 2020 May 1;21(5):521-531. PMID: 32690834.
  21. Kawashima A, Sekizawa A, Koide K, Hasegawa J, Satoh K, Arakaki T, Takenaka S, Matsuoka R. Vitamin C Induces the Reduction of Oxidative Stress and Paradoxically Stimulates the Apoptotic Gene Expression in Extravillous Trophoblasts Derived From First-Trimester Tissue. Reprod Sci. 2015 Jul;22(7):783-90. doi: 10.1177/1933719114561561. Epub 2014 Dec 17. PMID: 25519716; PMCID: PMC4565473.
  22. Ryan MJ, Dudash HJ, Docherty M, Geronilla KB, Baker BA, Haff GG, Cutlip RG, Alway SE. Vitamin E and C supplementation reduces oxidative stress, improves antioxidant enzymes and positive muscle work in chronically loaded muscles of aged rats. Exp Gerontol. 2010 Nov;45(11):882-95. doi: 10.1016/j.exger.2010.08.002. Epub 2010 Aug 10. PMID: 20705127; PMCID: PMC3104015.
  23. Mocchegiani E, Malavolta M. Role of Zinc and Selenium in Oxidative Stress and Immunosenescence: Implications for Healthy Aging and Longevity. Handbook of Immunosenescence. 2019 Apr 11:2539–73. doi: 10.1007/978-3-319-99375-1_66. PMCID: PMC7121636.
  24. Kwon DH, Cha HJ, Lee H, Hong SH, Park C, Park SH, Kim GY, Kim S, Kim HS, Hwang HJ, Choi YH. Protective Effect of Glutathione against Oxidative Stress-induced Cytotoxicity in RAW 264.7 Macrophages through Activating the Nuclear Factor Erythroid 2-Related Factor-2/Heme Oxygenase-1 Pathway. Antioxidants (Basel). 2019 Apr 1;8(4):82. doi: 10.3390/antiox8040082. PMID: 30939721; PMCID: PMC6523540.
  25. Iskusnykh IY, Zakharova AA, Pathak D. Glutathione in Brain Disorders and Aging. Molecules. 2022 Jan 5;27(1):324. doi: 10.3390/molecules27010324. PMID: 35011559; PMCID: PMC8746815.
  26. Borodina I, Kenny LC, McCarthy CM, Paramasivan K, Pretorius E, Roberts TJ, van der Hoek SA, Kell DB. The biology of ergothioneine, an antioxidant nutraceutical. Nutr Res Rev. 2020 Dec;33(2):190-217. doi: 10.1017/S0954422419000301. Epub 2020 Feb 13. PMID: 32051057; PMCID: PMC7653990.
  27. Hossain KFB, Hosokawa T, Saito T, Kurasaki M. Amelioration of butylated hydroxytoluene against inorganic mercury induced cytotoxicity and mitochondrial apoptosis in PC12 cells via antioxidant effects. Food Chem Toxicol. 2020 Dec;146:111819. doi: 10.1016/j.fct.2020.111819. Epub 2020 Oct 19. PMID: 33091556.

Partilhe

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário

Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião

Pagamento seguro
32 anos de experiência
Satisfeito
ou reembolsado;
Envio rápido
Consulta gratuita