0
pt
US
X
× SuperSmart Informar-se por pergunta de saúde Artigos novos Artigos populares Visitar a nossa loja A minha conta Smart Prescription Blog Programa de fidelização Idioma: Português
Fígado e Desintoxicação Guias e tutorials

Aditivos alimentares perigosos – quais os corantes e conservantes a evitar?

Bombons, fiambres… os aditivos alimentares nem sempre têm tudo bom! Façamos a ronda pelos corantes, conservantes e outras substâncias indesejáveis a evitar nos nossos pratos.
Aditivos alimentares perigosos
Que aditivos alimentares devemos aceitar ou eliminar?
Rédaction Supersmart.
2021-11-03Comentários (0)

O que é um aditivo alimentar?

Um aditivo alimentar é uma substância natural ou sintética adicionada a um alimento com o intuito de melhorar o seu aspeto, a sua textura ou a sua conservação. Nas nossas etiquetas, figura com o nome completo ou com o nome de código (que começa sempre com a letra E) acompanhado pela função que desempenha no produto.

Um exemplo? No seu pacote de sopa preferido, é possível identificar o glutamato pelos termos “intensificador de sabor: glutamato monossódico” ou “intensificador de sabor: E621”.

Na Europa, a Comissão europeia apoia-se nas recomendações da EFSA (Autoridade europeia para a segurança alimentar) para autorizar ou não um aditivo. Apesar de um enquadramento aparentemente rigoroso, algumas pessoas questionam a sua total inocuidade; estudos escassos ou emanando diretamente do fabricante, má apreciação dos cúmulos...

Quais são as grandes famílias de aditivos?

São atualmente autorizados perto de 350 aditivos no continente europeu. Esses aditivos dividem-se principalmente em 5 grandes grupos:

Aditivos alimentares perigosos – quais os que devemos evitar a todo o custo?

Fique tranquilo, “aditivo” não rima necessariamente com “nocivo”. Alguns, protegem, nomeadamente, os nossos alimentos de uma proliferação bacteriana prejudicial. Infelizmente, os industriais abusam também destas substâncias para fins muito menos virtuosos: para mascarar uma pobreza em termos de sabor, tornar um produto mais pesado por retenção de água ou criar cores soberbamente artificiais… Passemos portanto em revista os mais desacreditados para nunca mais nos deixarmos enganar!

Os gelados vistosos e os ursinhos em gomas multicor? A obra dos corantes azóicos! Agrupando a tartrazina (E102), o amarelo de quinoleína (E104), o amarelo alaranjado S (E110), a azorubina (E122), o corante vermelhão 4R (E124) e o vermelho allura (E129), propiciam sorrateiramente a hiperatividade nas crianças (1-2).

Conferindo uma bonita cor âmbar ao vinagre balsâmico barato ou aos refrigerantes com cola, os colorantes caramelo (E150c e E150d) arvoram um verdadeiro ponto negro. A respetiva síntese gera a formação de 4-metilimidazol, uma molécula classificada como sendo provável cancerígena pelo CIRC (Centro internacional de investigação sobre o cancro) (3).

Proibido em França desde janeiro de 2021, o dióxido de titânio (E171) continuar a ser usado para branquear as pastilhas elásticas em alguns países europeus. No entanto, integra nanopartículas que o tornariam potencialmente cancerígeno (4).

Ocupando a prateleira E220-E228, os sulfitos contam-se entre os alergénios mais conhecidos (5). Escondem-se no vinho, no vinagre, na mostarda, nos frutos secos e nos pepinos em conserva. Célebres por motivos mais tristes, os nitritos (de E249 a E252) são há muito tempo indissociáveis da charcutaria: o fiambre rosa é obra deles! O problema é que a sua digestão origina a formação de nitrosamina, um cancerígeno provável segundo o CIRC (6-7).

Muito usados nos queijos industriais, os fosfatos pecam pelo seu teor em fósforo que, em excesso, se revela nocivo para o organismo (8). Preste igualmente atenção ao BHA (E320) e ao BHT (E321), disruptores endócrinos potenciais (9).

Os emulsionantes E433 (polisorbato 80) e E466 (carboximetil celulose) não são melhores: ao transpor a barreira intestinal, poderiam provocar reações inflamatórias ou até mesmo doenças auto-imunes.

O sabor que leva a repetir os pratos preparados? Agradeça ao glutamato (de E620 a E625) (10)! Acusado de provocar problemas neurológicos, perturbaria igualmente os sinais do apetite (incitando-nos insidiosamente a voltar a servir-nos…) Emitimos igualmente reservas sobre os edulcorantes sintéticos como o aspartame (E951) (11).

Como limitar a sua exposição aos corantes e conservantes?

Sem perder horas a analisar as embalagens, adote este punhado de bons reflexos para se afastar ao máximo dos aditivos alimentares tóxicos:

Plantas para fazer face aos aditivos?

Como não é fácil controlar tudo, pode ser pertinente integrar certos extratos vegetais no seu quotidiano.

À semelhança dos sulfitos, determinados aditivos potenciariam o surgimento de alergias. Felizmente existem substâncias naturais que proporcionam um empurrãozinho bem-vindo, como o astragalo (que contribui para a regulação do sistema imunitário) e o pinheiro silvestre (que contribui para a saúde respiratória) (12). Determinados suplementos sinérgicos (à semelhança de Aller Fight, uma fórmula de alta qualidade que combina espirulina, bromelaína, astragalo, petasite-híbrida e pinheiro silvestre) agruparam-nos corretamente.

A nossa imunidade poderia também sofrer com os aditivos. É a conclusão de um estudo de 2017 realizado em ratos por investigadores franceses do INRA (Institut national de la recherche agronomique). Após uma exposição prolongada ao E171, observou-se uma perturbação da resposta imunitária intestinal bem como lesões pré-cancerosas ao nível do cólon. Planta incontornável da farmacopeia europeia, a equinácea contribui para o bom funcionamento do sistema de defesa do organismo; uma aliada preciosa para enfrentar o grupo de comandos dos “E”! (13) Para tirar o melhor partido possível dos seus benefícios, opte por um extrato de equinácea proveniente de agricultura biológica (como Immunity Booster, também enriquecido em zinco e vitamina C).

Desintoxicar regularmente o fígado facilita também a evacuação dos agentes nocivos acumulados. Contendo silimarina, o cardo mariano participa na proteção hepática (14). O extrato de folhas de alcachofra, com o seu belo teor de cinarina, contribui igualmente para manter um fígado saudável (15). Encontre todas estas substâncias boas para o fígado em fórmulas dedicadas (como o suplemento alimentar Liver Support Formula).

Certas fórmulas, por outro lado, destinam-se mais aos rins (à semelhança de Kidney Detox Formula). Outra opção complementar para acompanhar a sua cura detox: apostar em extratos de crucíferas (por exemplo, tomando Cruciferous Detox Formula, que agrega as melhores fontes de glucosinolatos).

Referências

  1. Rowe KS, Rowe KJ. Synthetic food coloring and behavior: a dose response effect in a double-blind, placebo-controlled, repeated-measures study. J Pediatr. 1994 Nov;125(5 Pt 1):691-8. doi: 10.1016/s0022-3476(94)70059-1. PMID: 7965420.
  2. Boris M, Mandel FS. Foods and additives are common causes of the attention deficit hyperactive disorder in children. Ann Allergy. 1994 May;72(5):462-8. PMID: 8179235.
  3. Chan PC, Hill GD, Kissling GE, Nyska A. Toxicity and carcinogenicity studies of 4-methylimidazole in F344/N rats and B6C3F1 mice. Arch Toxicol. 2008 Jan;82(1):45-53. doi: 10.1007/s00204-007-0222-5. Epub 2007 Jul 10. Erratum in: Arch Toxicol. 2008 Jan;82(1):55. Hills, G D [corrected to Hill, G D]. PMID: 17619857; PMCID: PMC2366200.
  4. Proquin H, Jetten MJ, Jonkhout MCM, Garduño-Balderas LG, Briedé JJ, de Kok TM, Chirino YI, van Loveren H. Gene expression profiling in colon of mice exposed to food additive titanium dioxide (E171). Food Chem Toxicol. 2018 Jan;111:153-165. doi: 10.1016/j.fct.2017.11.011. Epub 2017 Nov 8. PMID: 29128614.
  5. Vally H, Misso NL. Adverse reactions to the sulphite additives. Gastroenterol Hepatol Bed Bench. 2012;5(1):16-23.
  6. Song P, Wu L, Guan W. Dietary Nitrates, Nitrites, and Nitrosamines Intake and the Risk of Gastric Cancer: A Meta-Analysis. Nutrients. 2015;7(12):9872-9895. Published 2015 Dec 1. doi:10.3390/nu7125505
  7. Dellavalle CT, Xiao Q, Yang G, Shu XO, Aschebrook-Kilfoy B, Zheng W, Lan Li H, Ji BT, Rothman N, Chow WH, Gao YT, Ward MH. Dietary nitrate and nitrite intake and risk of colorectal cancer in the Shanghai Women's Health Study. Int J Cancer. 2014 Jun 15;134(12):2917-26. doi: 10.1002/ijc.28612. Epub 2013 Nov 29. PMID: 24242755; PMCID: PMC3980001.
  8. Razzaque MS. Phosphate toxicity: new insights into an old problem. Clin Sci (Lond). 2011;120(3):91-97. doi:10.1042/CS20100377
  9. Pop A, Kiss B, Loghin F. Endocrine disrupting effects of butylated hydroxyanisole (BHA - E320). Clujul Med. 2013;86(1):16-20.
  10. Niaz K, Zaplatic E, Spoor J. Extensive use of monosodium glutamate: A threat to public health?. EXCLI J. 2018;17:273-278. Published 2018 Mar 19. doi:10.17179/excli2018-1092
  11. Landrigan PJ, Straif K. Aspartame and cancer - new evidence for causation. Environ Health. 2021 Apr 12;20(1):42. doi: 10.1186/s12940-021-00725-y. PMID: 33845854; PMCID: PMC8042911.
  12. Qin Q, Niu J, Wang Z, Xu W, Qiao Z, Gu Y. Astragalus embranaceus extract activates immune response in macrophages via heparanase. Molecules. 2012;17(6):7232-7240. Published 2012 Jun 13. doi:10.3390/molecules17067232
  13. Zhai Z, Liu Y, Wu L, Senchina DS, Wurtele ES, Murphy PA, Kohut ML, Cunnick JE. Enhancement of innate and adaptive immune functions by multiple Echinacea species. J Med Food. 2007 Sep;10(3):423-34. doi: 10.1089/jmf.2006.257. PMID: 17887935; PMCID: PMC2362099.
  14. Abenavoli L, Capasso R, Milic N, Capasso F. Milk thistle in liver diseases: past, present, future. Phytother Res. 2010 Oct;24(10):1423-32. doi: 10.1002/ptr.3207. PMID: 20564545.
  15. Panahi Y, Kianpour P, Mohtashami R, Atkin SL, Butler AE, Jafari R, Badeli R, Sahebkar A. Efficacy of artichoke leaf extract in non-alcoholic fatty liver disease: A pilot double-blind randomized controlled trial. Phytother Res. 2018 Jul;32(7):1382-1387. doi: 10.1002/ptr.6073. Epub 20
Se gostou, partilhe Pinterest

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário
Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião
A nossa seleção de artigos
Vinho tinto numa vinha
Beber álcool pode ser bom para a saúde – verdadeiro ou falso?

“Um copo de vinho mantém o médico longe” Que pensar deste velho adágio? O nosso artigo “verdadeiro-falso” diz-lhe tudo sobre os benefícios ou malefícios do álcool na sua saúde.

Cardo mariano que desintoxica o fígado
As 7 melhores plantas detox para o fígado

O fígado é um órgão depurador fundamental. É possível ajudá-lo a trabalhar consumindo certas plantas, que têm virtudes desintoxicantes; descubra as 7 plantas mais eficazes para esse efeito.

Homens e mulheres pré-históricos no Paleolítico
Dieta paleo – princípio, benefícios, alimentos autorizados e proibidos

Inspirada pela alimentação dos nossos antepassados do Paleolítico, a dieta paleo está muito em voga há vários anos. Enfoque nesta dieta saúde, nos seus princípios e efeitos.

A dieta alcalina contra a acidose do organismo
A dieta alcalina para lutar contra a acidificação do organismo

Há várias décadas que a alimentação ocidental industrializada perturba profundamente o equilíbrio ácido-base do nosso organismo. Descubra como lutar contra esta acidificação.

Alcachofras nas mãos de um cozinheiro
A alcachofra – seus benefícios para a saúde, como a cozinhar e tirar o melhor partido dela

Esta planta da família dos cardos seduz miúdos e graúdos com o seu sabor delicado e suave… mas sabe como tirar o melhor partido das virtudes dela?

Mulher jovem a beber um sumo detox
Detox – as 4 melhores substâncias para ajudar a desintoxicar o organismo

Comeu demasiadas gorduras, demasiados doces, demasiados salgados ou consumiu demasiado álcool? Ou deseja simplesmente fornecer compostos benéficos ao seu organismo de tempos a tempos? Eis 4 substâncias detox que tem de conhecer.

Estes produtos devem interessar-lhe

DMSA 100 mgDMSA 100 mg

O quelante de mercúrio mais seguro e mais eficaz.

43.00 €(48.67 US$)
+
Magnesium Malate 800 mgMagnesium Malate 800 mg

Uma forma patenteada com melhor biodisponibilidade para quelatar os excessos tóxicos do alumínio. 20% magnésio, 69% ácido málico.

24.00 €(27.16 US$)
+
LIV 52<sup>®</sup>LIV 52®

Célebre fórmula ayurvédica de desintoxicação hepática

20.00 €(22.64 US$)
+
Silyplus 120 mgSilyplus 120 mg

Uma forma 8 a 10 vezes mais potente e mais bem absorvida de silimarina

32.00 €(36.22 US$)
+
Colon Cleanse FormulaColon Cleanse Formula

Um cólon saudável é garantia de uma vida saudável

26.00 €(29.43 US$)
+
EDTA 250 mgEDTA 250 mg

Quelante eficaz, prático e económico

32.00 €(36.22 US$)
+
Liver Support FormulaLiver Support Formula

Nova fórmula melhorada e reforçada Apoia naturalmente a função hepática

39.00 €(44.14 US$)
+
Desmo Forte™Desmo Forte™

Extracto líquido 1:2 de Desmodium adscendens Concentração máxima

41.00 €(46.41 US$)
+
© 1997-2021 Supersmart.com® - Reservados todos os direitos de reprodução
© 1997-2021 Supersmart.com®
Reservados todos os direitos de reprodução
Nortonx
secure
Warning
ok