0
pt
US
X
× SuperSmart Informar-se por pergunta de saúde Artigos novos Artigos populares
Visitar a nossa loja A minha conta Smart Prescription Blog Programa de fidelização Idioma: Português
Coração e Circulação sanguínea Perguntas – Respostas

É melhor tomar ómega 3 puros ou enriquecidos com ómega 6?

Para a sua saúde, é melhor um suplemento de ómega 3 ou um suplemento que associe ómega 3 e ómega 6?
Equilíbrio entre ómega 3 e ómega 6
Descubra como conseguir uma boa relação de ácidos gordos poli-insaturados (ómega 3 e 6).
Rédaction Supersmart.
2022-06-21Comentários (0)

Ómega 3 e ómega 6 – ácidos gordos essenciais!

Para assegurar certas funções estruturais, o nosso organismo precisa de dois tipos de ácidos gordos poli-insaturados (1):

Os ácidos gordos ómega 6, contrariamente às ideias preconcebidas, são, portanto, indispensáveis. Servem, nomeadamente, de precursores para a síntese das prostaglandinas (mediadores lipídicos que atuam, por exemplo, nas plaquetas, no endotélio, no útero e nos mastócitos) ou dos leucotrienos (que atuam na inflamação e na broncoconstrição).

Uma alimentação excessivamente rica em ómega 6?

Todavia, deste a década de 1950, os animais de criação (vacas, porcos e frangos, principalmente) são alimentados predominantemente com ração de milho ou bagaço de soja. Ora, esta alimentação animal rica em ómega 6 origina uma carne animal igualmente mais rica em ómega 6.

Além disso, os produtos de pastelaria e folhados industriais são, por seu lado, fabricados com óleos igualmente ricos em ómega 6, pela simples embora excelente razão que estes óleos são mais baratos (amendoim, soja, girassol) e permitem, assim, otimizar os lucros obtidos com os produtos.

Desta alimentação industrial moderna resulta, por conseguinte, um desequilíbrio considerável entre os nossos aportes de ómega 3 e de ómega 6.

Um equilíbrio necessário entre ómega 3 e ómega 6

Ora, estas duas famílias de ácidos gordos são metabolizadas pelas mesmas enzimas no organismo, o que leva a uma concorrência: se a alimentação for excessivamente rica em determinados ácidos gordos, o organismo não consegue metabolizar as outras famílias de ácidos gordos. Daí a necessidade de encontrar um equilíbrio entre ómega 3 e ómega 6 satisfatório (2).

A Organização Mundial da Saúde recomenda um rácio de 5 a 10 ómega 6 para 1 ómega 3, visando preferencialmente 5 do que 10 (3). Para um homem que consuma 2200 kcal por dia, isso representa cerca de 2 g de ómega 3 por dia e 10 g de ómega 6, contra 1,6 g e 8 g respetivamente, para uma mulher que consuma 1800 kcal por dia.

Os aportes realmente necessários continuam a ser sujeito de debate no mundo científico; a relação “protetora” ideal não foi ainda formalmente determinada por ensaios clínicos.

Como afirmámos, atualmente o aporte de ómega 6 na população figura, em todo o caso, muito acima destes valores; na Europa, consumimos, em média, 10 a 20 vezes mais ómega 6 do que ómega 3, um rácio que sobe para 40 ou até mesmo 50 para 1 na América do Norte.

Razão pela qual é inútil, hoje em dia, vigiar os seus aportes de ómega 6 mas é importante esforçar-se por equilibrar os ácidos gordos consumindo alimentos ricos em ómega 3 ou suplementos alimentares dedicados para cuidar do seu organismo (4).

Os alimentos ricos em ómega 3

O ALA (precursor dos ácidos gordos ómega 3) contribui para manter um nível normal de colesterol no sangue (5) ao passo que o EPA e o DHA (os derivados dos ómega 3) contribuem para o funcionamento função normal do coração (6), bem como para manter uma tensão arterial (7) e níveis de triglicéridos no sangue normais (8).

Para reequilibrar os seus aportes de ómega 3 e ómega 6 é necessário, portanto, em primeiro lugar evitar os alimentos transformados industriais e, em particular, os produtos de pastelaria e folhados, limitar o consumo de carnes e de queijos e pensar em consumir regularmente (pelo menos uma a duas vezes por semana) os alimentos seguintes (9):

É igualmente possível optar por determinados suplementos alimentares naturais que permitem aumentar facilmente os seus aportes de ómega 3.

Os óleos de peixe, grande fonte de EPA e de DHA

Obtidos através da prensagem dos tecidos de peixes gordos (arenque, sardinha, anchova, cavala, salmão ou bacalhau, consoante o óleo é fabricado a partir de peixe selvagem ou de aquicultura), os óleos de peixe são extremamente ricos em EPA e em DHA (10).

Para consumir ómega 3 em quantidades suficientes sem prejudicar o ambiente, é possível optar por óleos de peixe provenientes de pesca sustentável certificada, que não destrói os fundos marinhos e preserva as reservas de peixes (como o óleo Super Omega 3, aliás o mais puro do mercado).

Em função dos seus objetivos (função cardiovascular ou saúde do cérebro, em particular) algumas pessoas optam por suplementos de óleo de peixe com um teor reforçado de EPA (como Super EPA) ou, por outro lado, de DHA (como Super DHA). Em todos os casos, estes óleos “especializados” fornecem todos os benefícios dos ómega 3.

Os ómega 3 e o óleo de krill

Obtido a partir de uma família de camarão e, em particular, do Euphasia Superba, ou krill antártico, o óleo de krill confere os mesmos benefícios que o óleo de peixe, graças ao seu teor elevado de EPA e DHA, os famosos ácidos gordos ómega 3.

Contudo, o óleo de krill é igualmente rico em fosfolípidos, que propiciam a assimilação e os efeitos dos DHA e EPA, e contém um outro composto potente: a astaxantina (11) (opte, por exemplo, pelo suplemento Krill Oil).

A composição única do óleo de calanus

Obtido a partir de um outro zooplâncton (Calanus finmarchicus) que encontramos nas águas saudáveis nórdicas, o óleo de calanus é rico em ésteres de cera, mais facilmente assimiláveis pelo organismo.

Por outro lado, o óleo de calanus não só é rico em EPA e em DHA, como o óleo de peixe e o óleo de krill, como também é rico em astaxantina, como o óleo de krill, e em ácido estearidónico (SDA), uma outra forma de ácidos gordos ómega 3 que encontramos, nomeadamente, no óleo de cânhamo ou ainda na espirulina (12).

Por fim, a produção de óleo de calanus permite preservar as reservas de peixes sem pôr em perigo os ecossistemas, dado que as reservas de calanus nos mares do Norte estão calculadas em mais de 300 milhões de toneladas e que apenas 0,1% deste stock é pescado.

É por todas estas razões que inúmeras pessoas desejam tirar partido dos benefícios dos ómega 3 optando por um suplemento alimentar de óleo de calanus (como Arctic Plankton Oil).

Referências

  1. https://www.anses.fr/fr/content/les-lipides
  2. CANDELA, C. Gómez, LÓPEZ, LMa Bermejo, et KOHEN, V. Loria. Importance of a balanced omega 6/omega 3 ratio for the maintenance of health. Nutritional recommendations. Nutricion hospitalaria, 2011, vol. 26, no 2, p. 323-329.
  3. https://www.who.int/fr/news-room/fact-sheets/detail/healthy-diet
  4. https://www.efsa.europa.eu/fr/press/news/120727
  5. CHAN, Joanna K., BRUCE, Vivian M., et MCDONALD, Bruce E. Dietary α-linolenic acid is as effective as oleic acid and linoleic acid in lowering blood cholesterol in normolipidemic men. The American journal of clinical nutrition, 1991, vol. 53, no 5, p. 1230-1234.
  6. KRIS-ETHERTON, Penny M., HARRIS, William S., et APPEL, Lawrence J. Omega-3 fatty acids and cardiovascular disease: new recommendations from the American Heart Association. Arteriosclerosis, thrombosis, and vascular biology, 2003, vol. 23, no 2, p. 151-152.
  7. GUO, Xiao-fei, LI, Ke-lei, LI, Jiao-mei, et al.Effects of EPA and DHA on blood pressure and inflammatory factors: a meta-analysis of randomized controlled trials. Critical reviews in food science and nutrition, 2019, vol. 59, no 20, p. 3380-3393.
  8. VON SCHACKY, Clemens. A review of omega-3 ethyl esters for cardiovascular prevention and treatment of increased blood triglyceride levels. Vascular health and risk management, 2006, vol. 2, no 3, p. 251.
  9. MEYER, Barbara J., MANN, Neil J., LEWIS, Janine L., et al.Dietary intakes and food sources of omega‐6 and omega‐3 polyunsaturated fatty acids. Lipids, 2003, vol. 38, no 4, p. 391-398.
  10. KRIS-ETHERTON, Penny M., HARRIS, William S., et APPEL, Lawrence J. Fish consumption, fish oil, omega-3 fatty acids, and cardiovascular disease. circulation, 2002, vol. 106, no 21, p. 2747-2757.
  11. XIE, Dan, GONG, Mengyue, WEI, Wei, et al.Antarctic krill (Euphausia superba) oil: A comprehensive review of chemical composition, extraction technologies, health benefits, and current applications. Comprehensive Reviews in food science and food safety, 2019, vol. 18, no 2, p. 514-534.
  12. GASMI, Amin, MUJAWDIYA, Pavan Kumar, SHANAIDA, Mariia, et al.Calanus oil in the treatment of obesity-related low-grade inflammation, insulin resistance, and atherosclerosis. Applied Microbiology and Biotechnology, 2020, vol. 104, no 3, p. 967-979.
Se gostou, partilhe Pinterest

Comentários

Deve estar ligado à sua conta para poder deixar um comentário
Este artigo ainda não foi recomendado; seja o primeiro a dar a sua opinião
A nossa seleção de artigos
Mulher a medir a tensão arterial
8 conselhos para fazer baixar a tensão arterial de forma natural

Descubra algumas medidas simples a aplicar para baixar a sua pressão sanguínea (e assim reduzir os riscos de ter problemas cardiovasculares)

Alho negro fermentado
Virtudes do alho negro – 4 benefícios deste condimento envelhecido

Um condimento espantoso e que surgiu muito recentemente, o alho negro tem muitos benefícios para a saúde. Fique a par das 4 principais virtudes deste alicamento nascido no Japão.

Homem que sofre de hemorroidas
Hemorroidas – 5 remédios naturais a aplicar

Dores, ardores ou hemorragias ao nível do ânus; inúmeras pessoas sofrem de hemorroidas (fala-se de 75% das pessoas com mais de 45 anos). Felizmente, alguns remédios naturais ajudam a livrar-se delas; descubra quais.

Doutorada perita em suplementos de ómega 3
Entrevista – porque é que Super Omega 3 é o melhor suplemento de ómega 3?

O que é que torna o suplemento Super Omega 3 tão puro, estável e eficaz? Iren Stoknes, doutorada em biotecnologia e responsável de I&D na Epax® há 13 anos, desvenda-lhe os seus segredos de fabrico.

Forma de coração sobre uma planta
As 6 melhores plantas medicinais para o coração

Desde a noite dos tempos que o ser humano representa a vida usando a imagem de um coração. O ser humano identificou também precocemente as plantas que contribuem para a saúde do sistema cardiovascular. Descubra as 6 plantas mais eficazes para este efeito.

Pernas pesadas simbolizadas por pés de elefante
Pernas pesadas – 7 remédios naturais a conhecer

Sofre de pernas pesadas e isso tolhe-lhe os movimentos no quotidiano? Descubra alguns truques simples e naturais para recomeçar com pernas leves!

Estes produtos devem interessar-lhe

Super Omega 3Super Omega 3

EPA e DHA: um produto o mais natural, puro, potente e estável do mercado

28.00 €(28.74 US$)
+
Arctic Plankton OilArctic Plankton Oil

O óleo de Calanus, o tesouro nutricional do Ártico para potenciar a saúde do coração e lutar contra a inflamação.

43.00 €(44.13 US$)
+
Lactobacillus reuteriLactobacillus reuteri

Um probiótico de nova geração ao serviço da saúde cardiovascular

24.00 €(24.63 US$)
+
Coenzyme Q10Coenzyme Q10

Em base lipídica: biodisponibilidade triplicada !

37.00 €(37.98 US$)
+
Celery3nb™Celery3nb™

Uma arma natural e eficaz para controlar a hipertensão.

36.00 €(36.95 US$)
+
Triple ProtectTriple Protect

Prevenir o imprevisível no plano cardiovascular

78.00 €(80.06 US$)
+
Cardio BoosterCardio Booster

Protecção e reforço multiformes da saúde cardiovascular

39.00 €(40.03 US$)
+
Ubiquinol™Ubiquinol™

Forma mais activa e biodisponível da CoQ10

83.00 €(85.19 US$)
+
© 1997-2022 Supersmart.com® - Reservados todos os direitos de reprodução
© 1997-2022 Supersmart.com®
Reservados todos os direitos de reprodução
Nortonx
secure
Warning
ok